Doria diz que Instituto Butantan quer dobrar produção de vacina chinesa para 120 milhões

Doria afirmou em coletiva que se reuniu com mais de 200 empresários com o objetivo de conseguir doações com a iniciativa privada para ampliar a produção da CoronaVac, que será aplicada em duas doses

(Foto: REUTERS / Agustin Marcarian)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou, nesta quarta-feira, 29, que o Instituto Butantan quer dobrar a capacidade de produção da vacina contra o coronavírus, produzida em parceria com a empresa chinesa Sinovac Biotech. Assim a produção passaria  de 60 milhões para 120 milhões de doses.

Doria afirmou em coletiva que se reuniu com mais de 200 empresários com o objetivo de conseguir doações com a iniciativa privada para ampliar a produção da CoronaVac, que será aplicada em duas doses.

“Essa foi a segunda reunião para este objetivo e nós já conseguimos um compromisso de R$ 96 milhões dos R$ 130 milhões que representam a meta para dobrar a produção da Coronavac no Instituto Butantan”, informou Doria.

Ele também falou que está sendo procurado por governos e empresas estrangeiros que querem informações sobre o decorrer do projeto. “Estamos sendo procurados por instituições médicas de governo e privadas interessadas em obter informações sobre a produção da vacina, o que aumenta a esperança de poder atender países do nosso continente”, disse.

O governador de São Paulo disse que a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan deve ser distribuída gratuitamente a partir de janeiro de 2021.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247