Efeitos prolongados da Covid-19 após infecção afetam 43% das crianças

Doença aumenta risco de desenvolvimento de diabates e miocardite na população infantojuvenil

www.brasil247.com -
(Foto: José Cruz/ ABr)


Rede Brasil Atual - Estudo do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo revela que 43% das crianças e adolescentes infectados pela covid-19 tiveram efeitos prolongados nas 12 semanas seguintes à infecção. A pesquisa, que acompanhou 53 pacientes, está na revista científica Clinics, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O estudo monitorou pacientes com idades entre 8 e 18 anos por mais de quatro meses. Dentro do grupo de 53 que tiveram covid-19 confirmada, 23 crianças e adolescentes apresentaram sintomas até três meses depois adoecer. A conclusão reforça a necessidade da vacinação desse grupo como medida preventiva e de acompanhamento dos infectados por um período maior.

Entre as crianças que tiveram a chamada “covid longa”, surgiram sintomas como dor de cabeça (19%), cansaço (9%), dispneia (8%) e dificuldade de concentração (4%). Dores musculares e nas articulares, além de má qualidade do sono, também estão nos relatos (4%). O estudo apresenta como conclusão que a maioria dos jovens que passam pela infecção têm total recuperação em até quatro meses. “No entanto, pacientes com sintomas persistentes podem ter dificuldades que afetam sua qualidade de vida”, destaca o texto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

‘Covid longa’ em crianças

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, também fez um alerta recente sobre os efeitos prolongados da covid-19 no público infantojuvenil. O órgão afirma que a doença se relaciona a um risco duas vezes e maior de desenvolvimento de diabetes e miocardite em crianças.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os efeitos agudos graves da doença, embora sejam raros, também preocupam. A taxa de mortalidade brasileira pela síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P) está em 6%, quatro vezes superior à registrada pelos Estados Unidos.

Para frear os sintomas graves, é preciso vacinar as crianças. O próprio CDC aponta que as reações adversas de jovens de 5 a 11 anos à vacina de covid-19 são raríssimas, após analisar as 8,7 milhões de doses terem sido aplicadas nessa faixa etária no país. Segundo o relatório semanal, publicado em dezembro do ano passado, entre 3 de novembro e 19 de dezembro, apenas 4.249 comunicados de efeitos adversos foram notificados entre as quase 9 milhões de vacinas aplicadas. Ou seja, 97,6% não sofreram efeitos adversos colaterais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email