Em São Paulo, coronavírus infecta mais em distritos ricos. E mata mais nos pobres

Epidemia de coronavírus torna ainda mais flagrante os efeitos da desigualdade social na capital paulista

Fila para receber alimentos doados por padres franciscanos no centro de São Paulo durante a crise do coronavírus
Fila para receber alimentos doados por padres franciscanos no centro de São Paulo durante a crise do coronavírus (Foto: REUTERS/Rahel Patrasso)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rede Brasil Atual -  Dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo nesta sexta-feira (17) mostram que a epidemia de coronavírus torna ainda mais flagrante os efeitos da desigualdade social na capital paulista. De acordo com as informações referentes à situação epidemiológica, os distritos que têm mais casos oficiais de covid-19 estão entre os mais ricos do município, enquanto regiões periféricas lideram em número de óbitos. 

A cidade tinha um total de 9.356 casos registrados até as 14 horas desta sexta-feira (17). Em termos de localização, os distritos administrativos do Morumbi, com 297 casos; Vila Mariana, com 207, e Jardim Paulista, com 200 casos, eram os que tinham maior número de contaminações registradas por coronavírus.

Em relação aos óbitos, que chegaram a 1.935 de acordo com os dados coletados, sendo 743 confirmados e 1.192 suspeitos, os distritos de Brasilândia, com 54 mortes, e Sapopemba, com 51, eram os mais atingidos. Na sequência, aparecem São Mateus, com 41 óbitos, e Cidade Tiradentes, com 37.

Os dados refletem as condições de vida distintas dos paulistanos. Segundo o Mapa da Desigualdade de 2019, divulgado em novembro do ano passado pela Rede Nossa São Paulo, o Jardim Paulista é o segundo distrito da capital onde as pessoas morrem com a maior média de idade: 79,85 anos. São quase 23 anos a mais do que em Cidade Tiradentes, onde esta média é de 57,31, a pior entre todos os distritos paulistanos. Na Vila Mariana, o índice é de 78,17 anos, enquanto no distrito do Morumbi chega a 73,48. Em Brasilândia, a média é de 60,11; em Sapopemba, 63,92, e em São Mateus, 65,24.

As condições de acesso a equipamentos de saúde dos três distritos também estão entre as melhores da capital do estado. O Jardim Paulista tem, por exemplo, 30,98 leitos hospitalares por cem mil habitantes, índice que chega a 18,66 na Vila Mariana e a 14,54 no Morumbi, situando os três entre os oito melhores na cidade.

Para efeito de comparação, a proporção de leitos por habitante do Jardim Paulista é 2.816 vezes melhor do que a do distrito de Brasilândia, que tem 0,011 por cem mil habitantes. São Mateus tem 1,44; Sapopemba, 0,845, e Cidade Tiradentes, 0,776.

Na capital paulista, 77,4% das infecções confirmadas por coronavírus são de pessoas com menos de 60 anos de idade. Do total de 9.356 casos, 7.249 se encontravam abaixo desta faixa etária. São Paulo tem ainda 35.409 casos suspeitos de coronavírus, havendo uma prevalência de mulheres: são 19.456 e 15.953 homens.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247