Entidades da saúde denunciam ‘discurso de morte’ de Jair Bolsonaro

247 - Entidades da saúde divulgaram um manifesto neste domingo (29) considerando "intolerável e irresponsável o discurso de morte" feito por Jair Bolsonaro na noite de 24 de março, em cadeia nacional de rádio e TV.

Para as entidade de saúde coletiva e da bioéticas, a posição de Jair Bolsonaro sobre o surto de coronavírus é "incoerente e criminosa" e nega o conjunto de evidências científicas que pautam o combate à pandemia em todo o mundo. 

Bolsonaro desvaloriza o "trabalho sério e dedicado de toda uma rede nacional e mundial de cientistas e desenvolvedores de tecnologias em saúde", diz o manifesto das entidades, que também criticam o desrespeito do ocupante do Planalto ao "excelente trabalho da imprensa e de numerosas redes de difusão de conhecimento, essenciais para o esclarecimento geral sobre a Covid-19, e desmobiliza a população a dar seguimento às medidas fundamentais de contenção para evitar mortes".

O texto reforça uma ideia cada vez mais consensual no país de que o "pronunciamento perverso" de Bolsonaro "pode resultar em mais sofrimento e mortes na já tão sofrida população brasileira, particularmente entre os segmentos vulnerabilizados em nosso país."

As informações são da jornalista Cláudia Collucci na Folha de S.Paulo
 

Receber notificações do Brasil 247. Inscreva-se.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Leia também:

Brasil registra quase 500 mil casos de Covid-19 e 28.834 óbitos

O resultado, divulgado neste sábado (30) no balanço do Ministério da Saúde, representou um aumento de 3,4% em relação à sexta-feira...

Brasil tem mais de 100 crianças e jovens até 19 anos mortos pela Covid-19

Foram ao menos 42 vítimas menores de um ano, de acordo com boletim do ministério da Saúde

Coronavírus: com mais de 468 mil casos confirmados, Brasil tem 28 mil mortes

Brasil ultrapassa a Espanha e ocupa quinta posição no ranking mundial de quantidade de mortes provocadas pelo novo coronavírus