EUA provoca e diz que Rússia não está na frente em desenvolvimento de vacina contra a Covid-19

Ex-chefe da FDA, Scott Gottlieb provoca e diz que Rússia não está na frente em desenvolvimento de vacina contra o coronavírus

Scott Gottlieb / Vladimir Putin
Scott Gottlieb / Vladimir Putin (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Ex-chefe da Food and Drug Administration (FDA) - a Anvisa dos Estados Unidos -, Scott Gottlieb provocou a Rússia, nesta terça-feira, 11, em entrevista à CNBC. Segundo ele, apesar do país já ter anunciado a vacina contra a Covid-19, os EUA estariam na frente.

“Acho que, em termos de desenvolvimento agora, eles [russos] estão um pouco atrasados em relação às vacinas que temos”, disse Gottlieb. Para o norte-americano, o número de pessoas que testou a vacina russa equivale a um ensaio da fase um, ou seja, precisa ser ainda avaliada em teste clínico em grande escala.

“Eles certamente não estão à nossa frente e certamente não permitiremos que uma vacina fosse usada para distribuição em massa neste momento, com base nos dados que temos em mãos. Simplesmente não sabemos se as vacinas são seguras e eficazes neste momento”, explicou.

O presidente do fundo de investimento envolvido no projeto russo, Kirill Dmitriev, disse que 20 países já encomendaram um bilhão de doses da vacina, que recebeu o nome de "Sputnik V".

A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz estar em contato estreito com os russos e que as discussões continuam sobre os detalhes da pesquisa para o desenvolvimento do produto. "A pré-qualificação de qualquer vacina passa por procedimentos rigorosos", afirmou Tarik Jasarevic, porta-voz da organização, durante uma videoconferência de imprensa. "A pré-qualificação de qualquer vacina inclui a revisão e avaliação rigorosas de todos os dados de segurança e eficácia necessários, compilados durante os testes clínicos", destacou.

O presidente Vladimir Putin anunciou nesta terça-feira que a Rússia desenvolveu a "primeira" vacina contra o novo coronavírus e afirmou que a "Sputnik V" oferece uma "imunidade duradoura". Também disse que uma de suas filhas tomou a vacina. Até o momento, a Rússia não publicou um estudo detalhado dos resultados de seus testes que permita estabelecer a eficácia do produto, entretanto.

O governo paranaense deve assinar acordo com a Rússia para fabricação da vacina Sputnik V contra Covid-19 nesta quarta-feira, 12. O embaixador da Rússia no Brasil Sergey Akopov disse à CNN Brasil nesta terça-feira, 11, que o Brasil é um parceiro estratégico contra a Covid-19, inclusive na produção de vacinas e medicamentos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247