Governo Bolsonaro ignora recomendação da Anvisa por comprovante de vacinação para turistas

Sugestão de comprovação da vacinação completa de estrangeiros para entrada no Brasil foi enviada à Casa Civil há cerca de duas semana, mas não foi adotada pelo governo federal. Jair Bolsonaro é um dos principais opositores da exigência de comprovante de vacinação em qualquer situação

(Foto: Myke Sena/MS)
Siga o Brasil 247 no Google News

Reuters - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou nesta quinta-feira a recomendação de que seja exigida a vacinação completa de estrangeiros para entrada no Brasil, mas a sugestão enviada à Casa Civil há cerca de duas semanas ainda não foi adotada pelo governo federal.

A recomendação da Anvisa é que viajantes que cheguem por via aérea devem ter a vacinação completa e realizarem um teste PCR ou de antígenos na chegada ao país. Aqueles que não tiverem tomado a segunda dose da vacina, devem ficar em quarentena, fazer um teste depois de cinco dias e permanecer isolados até o resultado negativo.

Já para a entrada pelas fronteiras terrestres --que continuam fechadas-- a recomendação da agência é que pessoas não vacinadas não sejam autorizadas a entrar no país, com exceção de motoristas de transporte de cargas.

PUBLICIDADE

A dispensa da confirmação de vacinação poderia acontecer, segundo a agência, nos casos de país com alta cobertura vacinal e imunidade coletiva.

As recomendações da Anvisa são baseadas na análise de medidas adotadas pelas agências de fiscalização de diversos países e regiões, incluindo Estados Unidos e União Europeia, mas não são obrigatórias. Cabe à Casa Civil tomar uma decisão, o que ainda não foi feito.

As notas foram enviadas no dia 12 de novembro, mas até agora não houve mudança nas medidas de fronteiras. O governo brasileiro não exige passaporte vacinal, mas também não abriu as fronteiras terrestres.

PUBLICIDADE

Em entrevista na quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro reclamou das fronteiras fechadas e disse que conversou com o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, mas ressaltou que não mandava nas decisões da agência.

"Da minha parte --eu não decido, não mando na Anvisa, Anvisa é independente-- eu não manteria fronteira fechada", disse. "Tem a questão da economia, no turismo, um montão de coisa."

Bolsonaro se opõe a exigência de comprovante de vacinação em qualquer situação.

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email