Israel compra vacina contra Covid-19, mas se esquece de algo importante

Israel corre o risco de não poder, mesmo com a vacina, imunizar sua população, já que o país carece de material para aplicar o medicamento

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A vacina foi feita pela empresa Moderna, uma das cinco companhias norte-americanas que o governo Trump delegou para desenvolver uma cura para a COVID-19.

No dia 27 de julho, a Moderna iniciará os testes mais importantes para comprovar se o produto protege eficazmente contra o SARS-CoV-2.

Por sua vez, Israel garantiu um acordo multimilionário para adquirir uma vacina contra a COVID-19 no valor de US$ 66 milhões (R$ 354 milhões). Entretanto, o Canal 12, citado pelo jornal The Times of Israel, relata que o país corre o risco de ficar sem a cura da doença que matou mais de 600 mil pessoas no mundo, já que o país carece de seringas, usadas para injetar as vacinas.

A mídia israelense relata que outros países pensaram nessa questão, mas Israel não. Os EUA, que foram os mais atingidos pela doença, compraram 50 milhões de seringas, enquanto a União Europeia, um dos epicentros da COVID-19, afirmou que precisaria de aproximadamente um bilhão de agulhas e seringas para realizar a vacinação.

"O Ministério da Saúde foi alertado por órgãos privados de que seria necessário comprar seringas. Devido à corrida global para uma vacina, há uma dúvida real sobre a capacidade de produção e fornecimento de seringas a tempo, se nenhuma compra for feita com antecedência", afirmou uma fonte anônima ao Canal 12, informando que Israel não obteve meios suficientes para injetar a vacina.

O Ministério da Saúde israelense não comentou o assunto, bem como não revelou os detalhes do acordo.

Relatos indicam que a vacina será fornecida em pequenos frascos, com dez dozes em cada um deles.

Israel tem um número relativamente baixo de casos de COVID-19 (mais de 50 mil) e um número ainda menor de mortes em comparação com outros países da região. Entretanto, os casos estão aumentando desde que as restrições de segurança foram retiradas, somando 1.900 novas infecções registradas no sábado (18).

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247