Julho foi o mês com o maior número de mortes por coronavírus no Brasil desde o início da pandemia

O Brasil teve 32,9 mil óbitos confirmados pelo coronavírus em julho, sendo a quantidade a mais alta registrado em um único mês desde o início da pandemia

Enterro de vítima da pandemia no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo (SP)
Enterro de vítima da pandemia no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo (SP) (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Brasil teve 32.912 mortes confirmadas pelo coronavírus em julho, de acordo com números apurados pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias de Saúde do país. A quantidade é a mais alta registrado em um único mês desde o início da pandemia. A estatística foi calculada subtraindo-se as mortes totais no dia 30 de junho (59.656) do total de mortes até 31 de julho, que era de 92.568 até as 20h. Os dados foram publicados pelo portal G1

Atualmente, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking global de infecções (2,6 milhões) e mortes (92 mil) provocadas pela doença.

De acordo com o epidemiologista Pedro Hallal, reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), a tendência de aumento nas mortes mostra o "total fracasso" do Brasil em combater a Covid-19.

"Não precisava ser assim. Não tem nenhum motivo para um país onde a pandemia chegou em março o quinto mês da pandemia ser o mês com mais mortes. Isso é completamente descabido. Só mostra o total fracasso do Brasil no combate à pandemia", afirma Hallal.

Segundo o médico, "se o Brasil continuar não fazendo o distanciamento social nas cidades onde os números ainda estão estabilizados ou crescendo, agosto vai 'ganhar' de julho e vai ser, de novo, o mês com mais mortes".

"A única forma de prevenir que agosto ultrapasse julho é se, nos lugares onde os números estão estáveis ou subindo, fazer lockdowns rigorosos, que nunca foram feitos no Brasil", afirmou. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247