Máscaras limitam transmissão de coronavírus, confirma estudo

Segundo estudo publicado pela Nature Medicine, nos voluntários sem máscaras foram detectadas partículas virais do coronavírus em gotículas respiratórias e aerossóis em 30% e em 40% das amostras, respectivamente. Entre os que usaram máscara não foi detectado em gotículas ou aerossóis. Brasil tem pelo menos 11,5 mil confirmações e 506 mortes decorrentes da covid-19

(Foto: AMANDA PEROBELLI/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um novo estudo publicado na Nature Medicine aponta que máscaras cirúrgicas limitam expressivamente a propagação do coronavírus por gotículas respiratórias e aerossóis (partículas minúsculas liberadas no ar pela respiração). Pesquisadores dividiram 123 pessoas com pelo menos uma infecção respiratória confirmada em dois grupos: os que usariam máscara e os que não usariam. 

Nos voluntários sem máscaras foram detectadas partículas virais do coronavírus em gotículas respiratórias e aerossóis em 30% e em 40% das amostras, respectivamente. Entre os que usaram máscara a covid-19 não foi detectado em gotículas ou aerossóis.

Todos os participantes do estudo tiveram o ar expirado por 30 minutos coletado por uma máquina. Os voluntários eram posicionados dentro de uma cabine de frente para um tubo de abertura cônica, onde o ar foi armazenado para análise. O teor do estudo foi publicado no jornal Folha de S.Paulo.

Ao todo, 17 pessoas estavam infectadas com coronavírus humano sazonal (vírus mais brando do que o coronavírus da pandemia atual), 43 com Influenza e 54 com rinovírus, também sazonal. Uma pessoa tinha coronavírus e Influenza ao mesmo tempo e outras duas apresentaram contaminação simultânea por Influenza e rinovírus.

Os autores afirmam que até poderiam ter pedido para os voluntários tossirem de maneira forçada para produzirem uma quantidade maior de material para análise, mas o objetivo do estudo era mapear o comportamento natural do vírus e os seus sintomas.

"Esperávamos que alguns indivíduos durante uma doença respiratória aguda não tossissem muito. De fato, identificamos o RNA viral [de todos os vírus analisados] em um pequeno número de participantes que não tossiram durante a coleta expiratória de 30 minutos, o que sugere que as rotas de transmissão de gotículas e aerossóis são possíveis em indivíduos sem sinais ou sintomas óbvios", diz o texto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email