Mortes por coronavírus no mundo passam de meio milhão

Embora o número total de mortes tenha se estabilizado nas últimas semanas, especialistas de saúde expressam preocupações com as cifras recordes de casos novos em países como Estados Unidos, Índia e Brasil

Enterro de vítima do coronavírus no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo (SP) 26/05/2020
Enterro de vítima do coronavírus no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo (SP) 26/05/2020 (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O número de mortes decorrentes da Covid-19 ultrapassou meio milhão no domingo, de acordo com uma contagem da Reuters, um marco aterrorizador da pandemia global, que parece ressurgir em alguns países enquanto outras regiões ainda sofrem com a primeira onda.

A doença respiratória causada pelo novo coronavírus é particularmente perigosa para os idosos, mas outros adultos e também crianças estão entre as 501 mil vítimas fatais e 10,1 milhões de casos registrados.

Embora o número total de mortes tenha se estabilizado nas últimas semanas, especialistas de saúde expressam preocupações com as cifras recordes de casos novos em países como Estados Unidos, Índia e Brasil, e também com novos surtos em partes da Ásia.

Mais de 4.700 pessoas estão morrendo de doenças ligadas à Covid-19 a cada 24 horas, segundo cálculos da Reuters com base em uma média vista entre 1º e 27 de junho.

Isto equivale a 196 pessoas por hora, ou uma pessoa a cada 18 segundos.

Até agora, cerca de um quarto de todas as mortes ocorreram nos EUA, como mostram dados da Reuters. O aumento recente de casos é mais pronunciado em Estados do sul e do oeste do país, que realizaram reaberturas precoces das atividades. No domingo, autoridades norte-americanas relataram cerca de 44.700 casos novos e 508 mortes adicionais.

A quantidade de casos também cresce rapidamente na América Latina, que ultrapassou no domingo o total de infecções diagnosticadas na Europa, o que torna a região a segunda mais afetada pela pandemia — a primeira é a América do Norte.

Do outro lado do mundo, autoridades da Austrália cogitavam readotar medidas de distanciamento social em algumas regiões nesta segunda-feira depois de relatarem o maior aumento diário de infecções em mais de dois meses.

A primeira morte registrada do novo vírus aconteceu em 9 de janeiro, um homem de 61 anos da cidade chinesa de Wuhan que frequentava um mercado de produtos perecíveis que foi identificado como a fonte do surto.

Em meros cinco meses, o número de mortes da Covid-19 superou o de vítimas fatais anuais da malária, uma das doenças infecciosas mais mortíferas do mundo.

Especialistas de saúde pública estão analisando como a demografia afeta as taxas de mortalidade em regiões diferentes — alguns países europeus com populações mais idosas relataram taxas de mortalidade mais altas, por exemplo.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247