"Não há evidência" de que recuperados da Covid-19 não possam ser reinfectados, diz OMS

Em um briefing científico, a agência das Nações Unidas alertou governos contra a emissão de “passaportes de imunidade” ou “certificados de livre de riscos” às pessoas que foram infectadas, uma vez que sua precisão não pode ser garantida

(Foto: Bru Aguilo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

GENEBRA (Reuters) - A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse neste sábado que atualmente “não há evidências” de que pessoas que se recuperaram da Covid-19 e possuem anticorpos estejam protegidas de uma segunda infecção pelo coronavírus.

Em um briefing científico, a agência das Nações Unidas alertou governos contra a emissão de “passaportes de imunidade” ou “certificados de livre de riscos” às pessoas que foram infectadas, uma vez que sua precisão não pode ser garantida.

A prática poderia, na verdade, aumentar os riscos de propagação contínua da doença, à medida que pessoas que se recuperaram podem ignorar conselhos sobre as precauções que devem ser tomadas contra o vírus, disse a entidade.

“Alguns governos sugeriram que a detecção de anticorpos ao SARS-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19, poderia servir como a base para um ‘passaporte de imunidade’, ou ‘certificado de livre de riscos’, que permitiria a indivíduos viajar ou voltar para casa, assumindo que eles estariam protegidos contra a reinfecção”, disse a OMS.

“Atualmente não há evidências de que pessoas que se recuperaram da Covid-19 e possuem anticorpos estão protegidas de uma segunda infecção”, acrescentou.

O Chile anunciou na semana passada que começaria a distribuir “passaportes de saúde” para pessoas consideradas recuperadas da doença. Uma vez rastreado o desenvolvimento de anticorpos para torná-las imunes ao vírus, elas poderiam retornar imediatamente ao trabalho.

A OMS disse que continua avaliando evidências sobre as respostas de anticorpos ao vírus, que surgiu na cidade chinesa de Wuhan no final do ano passado. Cerca de 2,8 milhões de pessoas já foram infectadas pelo novo coronavírus em todo o mundo, sendo que 196.298 morreram, segundo contagem da Reuters.

A maior parte dos estudos mostra que as pessoas que se recuperaram da infecção têm anticorpos para o vírus, segundo a OMS. No entanto, algumas delas possuem níveis muito baixos de anticorpos neutralizadores no sangue, “sugerindo que a imunidade celular também pode ser fundamental para a recuperação”, concluiu a organização.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247