No sábado, Brasil registrou 51.922 novos casos de Covid-19 e 587 mortes

O total de mortes pela doença no Brasil atingindo é 172.561

Pessoas usando máscaras de proteção passam em frente a grafite em meio à pandemia da Covid-19 no Rio de Janeiro
Pessoas usando máscaras de proteção passam em frente a grafite em meio à pandemia da Covid-19 no Rio de Janeiro (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters Brasil - O Brasil registrou neste sábado 51.922 novos casos de coronavírus, o que eleva o total de infecções confirmadas no país a 6.290.272, informou o Ministério da Saúde.

Também foram notificados 587 novos óbitos em decorrência da Covid-19, com o total de mortes pela doença no Brasil atingindo 172.561, acrescentou a pasta.

O Brasil é o segundo país com maior número de mortes por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro em casos, abaixo dos EUA e da Índia.

Na quinta-feira, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse que os dados da pandemia no Brasil sinalizam um “repique” em algumas regiões em termos de contaminação e mortes, acrescentando que esse movimento é “mais claro” no Sul e Sudeste.

Neste cenário, todas as atenções estão voltadas para a possibilidade de vacinação contra a doença no ano que vem. Na sexta-feira, Francieli Fantinato, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, disse que neste momento o governo está verificando quais são os públicos mais vulneráveis em relação à Covid-19 para ajudar na definição dos grupos prioritários no momento em que houver uma vacina disponível.

“Nós temos ainda os objetivos da vacinação já definidos, que é reduzir a morbidade, a mortalidade e também atender às pessoas mais expostas ao vírus”, disse a coordenadora em entrevista coletiva.

“Neste momento nós não temos uma capacidade mundial de produzir vacina para toda a população brasileira. Então nós temos quantidade limitada de vacina, e portanto nós precisamos definir esses objetivos para poder direcionar a nossa estratégia de vacinação”, acrescentou.

Por Alexandre Caverni e Gabriel Araujo

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247