Pesquisadores de Hong Kong relatam primeiro caso documentado de reinfecção pela Covid-19

Pesquisadores da Universidade de Hong Kong relataram que um paciente de 33 anos que havia se recuperado da Covid-19 voltou a ser infectado quatro meses e meio mais tarde, após uma viagem à Europa, no primeiro caso documentado de reinfecção humana

Funcionária de hospital de campanha para tratamento de pacientes com Covid-19 em Hong Kong
Funcionária de hospital de campanha para tratamento de pacientes com Covid-19 em Hong Kong (Foto: REUTERS/Pak Yiu)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Um cidadão de Hong Kong que se recuperou da Covid-19 voltou a ser infectado quatro meses e meio mais tarde, no primeiro caso documentado de reinfecção humana, anunciaram pesquisadores da Universidade de Hong Kong nesta segunda-feira.

A descoberta indica que a doença, que já matou mais de 800 mil pessoas em todo o mundo, pode continuar a se disseminar pela população global apesar da chamada imunidade de rebanho, disseram.

O homem de 33 anos ficou curado da Covid-19 e teve alta de um hospital em abril, mas foi diagnosticado novamente depois de voltar da Espanha via Reino Unido no dia 15 de agosto.

O paciente parecia estar saudável antes, disseram os pesquisadores no estudo, que foi aceito pelo periódico médico internacional Clinical Infectious Diseases.

Descobriu-se que ele contraiu uma linhagem de coronavírus diferente daquela que havia contraído da primeira vez e que continuou assintomático com a segunda infecção.

“A descoberta não significa que tomar vacinas será inútil”, disse o doutor Kai-Wang To, um dos principais autores do estudo, à Reuters.

“A imunidade induzida pela vacinação pode ser diferente daquelas induzidas pela infecção natural”, explicou To. “Ainda precisaremos esperar pelos resultados dos testes de vacinas para ver o quão eficientes as vacinas são”.

Maria Van Kerkhove, epidemiologista da Organização Mundial da Saúde (OMS), disse nesta segunda-feira que não se deve tirar conclusões precipitadas em reação ao caso de Hong Kong.

Casos de pessoas que tiveram alta e voltaram a ter exames positivos de infecção de Covid-19 já foram relatados na China continental e em outros países, mas nunca havia ficado claro se elas foram infectadas novamente depois de uma recuperação plena —como ocorreu com o paciente de Hong Kong— ou se ainda tinham o vírus da infecção inicial no organismo.

O número preliminar de pacientes da China que voltaram a ser diagnosticados depois de saírem do hospital é de 5% a 15%, disse Wang Guiqiang, especialista em doenças infecciosas do grupo chinês especializado em tratamento contra Covid-19, durante uma entrevista coletiva em maio.

Uma explicação possível é que o vírus ainda existia nos pulmões do paciente, mas não foi detectado em amostras colhidas das partes superiores das vias aéreas, disse ele. Outras causas possíveis são a sensibilidade baixa dos exames e a imunidade fraca que pode levar a resultados positivos persistentes, acrescentou.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247