Ponto fraco do coronavírus é descoberto

De acordo com o estudo publicado na PeerJ, as moléculas conhecidas como miRNA hsa-miR-21-3p podem ser o calcanhar de Aquiles da COVID-19, isso porque poderiam ser capazes de reprimir a replicação do coronavírus humano

OMS relata recorde diário global de mais de 307 mil casos de coronavírus
OMS relata recorde diário global de mais de 307 mil casos de coronavírus (Foto: REUTERS/Phil Noble)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik News - Uma equipe de cientistas da Escola Superior de Economia, na Rússia, afirma que tanto o SARS-CoV-2 como outros coronavírus possuem a capacidade de "atrair" um mecanismo pelo qual as células do hospedeiro impedem a replicação viral.

De acordo com o estudo publicado na PeerJ, as moléculas conhecidas como miRNA hsa-miR-21-3p podem ser o calcanhar de Aquiles da COVID-19, isso porque poderiam ser capazes de reprimir a replicação do coronavírus humano, inibindo o crescimento nos primeiros estágios da infecção e atrasando a imunidade ativa.

Ao analisar os sete tipos de coronavírus conhecidos que infectam os humanos, os autores do estudo comprovaram que seis deles, incluindo o responsável pela COVID-19, mostram locais de união mútuos para miRNA hsa-miR-21-3p e outro microRNA, chamado hsa-miR-421.

Para analisar o papel que desempenha após a entrada do coronavírus nas células, os cientistas decidiram analisar o processo de infecção nos pulmões de ratos de laboratório, comprovando que quando ocorre a infecção a produção de miRNA aumenta em oito vezes, indicando que o vírus "promove" a união destas moléculas ao seu próprio RNA, afetando sua multiplicação.

Agora, os cientistas pretendem analisar as possibilidades de um efeito medicinal sobre o vírus que é atraído aos miRNA descobertos.

Os especialistas pretendem analisar se a introdução ou eliminação artificial deste mecanismo pode prevenir a reprodução do vírus.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247