Sociedade de Pediatria refuta negacionismo de Bolsonaro: população não deve temer a vacina, mas a Covid

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou documento repudiando posições negacionistas de Bolsonaro sobre vacinação de crianças

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters/ SHAWN ROCCO/DUKE UNIVERSITY)


247 - A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) publicou nesta quinta-feira (6) uma nota de repúdio em que reitera a segurança da vacinação contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos e diz que a população não deve temer o imunizante —mas, sim, a doença que ele busca prevenir, informa a jornalista Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo.

A carta responde a comentários de autoridades sobre possíveis riscos decorrentes da imunização. A manifestação ocorreu horas após Jair Bolsonaro (PL) atacar a vacinação infantil e pedir que os pais não se deixem levar pelo que chamou de propaganda, ressalta a jornalista.  

"A vacina previne a morte, a dor, sofrimento, emergências e internação em todas as faixas etárias. Negar este benefício às crianças sem evidências científicas sólidas, bem como desestimular a adesão dos pais e dos responsáveis à imunização dos seus filhos, é um ato lamentável e irresponsável, que, infelizmente, pode custar vidas", afirma a Sociedade de Pediatria. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A entidade chama a atenção para um dado preocupante: os indicadores de mortes por Covid-19 entre crianças brasileiras "são mais expressivos do que em outras nações". 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia a íntegra da nota de repúdio da Sociedade Brasileira de Pediatria:

"O Brasil deve temer a doença, nunca o remédio!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Diante de comentários de autoridades sobre possíveis riscos decorrentes da imunização de crianças de cinco a 11 anos contra a covid-19, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) vem a público reiterar aos pais e responsáveis os seguintes pontos:

1) A população não deve temer a vacina, mas, sim, a doença que ela busca prevenir, bem como suas complicações, como a covid longa e a Síndrome Inflamatória Multissistêmica, manifestações que consolidam a necessidade da imunização do público infantil.

2) O acesso das crianças à vacina contra a covid-19 é um direito que deve ser assegurado, o qual conta com o apoio da maioria dos brasileiros, conforme expresso em consulta pública realizada sobre o tema pelo Ministério da Saúde.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3) A vacinação desse público é estratégia importante para reduzir o número de mortes por conta da covid-19 nessa faixa etária, no Brasil, cujos indicadores são mais expressivos do que em outras nações.

4) Até o momento, os estudos realizados apontam a eficácia e a segurança da vacina aplicada na população pediátrica, a qual é fundamental no esforço para reduzir as formas graves da covid-19.

5) A vacina previne a morte, a dor, sofrimento, emergências e internação em todas as faixas etárias. Negar este benefício às crianças sem evidências científicas sólidas, bem como desestimular a adesão dos pais e dos responsáveis à imunização dos seus filhos, é um ato lamentável e irresponsável, que, infelizmente, pode custar vidas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 2022.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA"

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email