Taxa de contágio volta a crescer e Brasil registra 42,7 mil novos casos de covid-19

A pandemia não cede no Brasil, que vai amargando a pior posição mundial no combate ao coronavírus. O país teve quase 1,2 mil mortes por covid nas últimas 24 horas e o total de óbitos está próximo a 54 mil desde o início da pandemia

(Foto: Amanda Perobelli/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil de Fato - O Brasil segue superando outras nações em registros diários da covid-19 e entre terça (23) e quarta-feira (24) confirmou 42.725 novos infectados pela doença. O resultado só fica abaixo dos mais de 54 mil pacientes que foram registrados no país nas 24 horas entre quinta (18) e sexta-feira (19) da semana passada.

Segundo dados do Conselho Nacional de Secretarias de Saúde, o total de infectados desde o início da pandemia é de 1.188.631. Ainda de acordo com os dados do Conass, o número de mortos pela covid no país é de 53.830. Foram 1.185 óbitos confirmados de terça (23) para quarta-feira (24). A taxa de letalidade atual é de 4,5%.

Nenhum estado brasileiro registrou diminuição de casos e mortes, o crescimento é observado em todas as unidades da federação. Entre os que mais têm casos e mortes, São Paulo aparece em primeiro lugar (238.822 casos e 13.352 mortes). Na sequência está o Rio de Janeiro (103.493 casos e 9.295 mortes), que tem também a maior taxa de letalidade do país: 9%. O Ceará é o terceiro da lista (99.578 casos e 5.815 mortes).

Taxa de contágio volta a crescer

A taxa de contágio no Brasil havia vinha registrando desaceleração por três semanas seguidas, mas voltou a crescer. Isso quer dizer que o número de pessoas para as quais cada infectado passa a doença está maior, o que pode ser resultado direto do relaxamento nas medidas de isolamento social.

Segundo o Imperial College de Londres, o índice no Brasil é de 1,06. Esse cenário coloca o país na lista de nações em que a pandemia segue fora de controle. Atualmente, cada 100 contaminados transmitem para outras 106 pessoas. Relação que aumenta a cada grupo de infectados. 

A instituição avalia ainda que o número de casos em solo brasileiro pode ser três vezes maior que o registrado oficialmente. Há estimativa de que esse montante seja superior a 3 milhões de pessoas.

Morte avança na América Latina 

Nesta terça-feira (23), a América Latina ultrapassou a marca de 100 mil mortes pela covid-19. Mais da metade dos óbitos ocorreram no Brasil. A região tem 2,16 milhões de infectados e o Brasil concentra a maior parte dos casos. 

O diretor de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que a região ainda não chegou ao pico da pandemia. "Eu caracterizaria a situação na América Latina como ainda em evolução (...) Deve resultar, provavelmente, em número sustentado de casos e morte contínua nas próximas semanas.”

O vírus explora a má governança. 

Ryan ressaltou ainda que a evolução da pandemia está diretamente relacionada  à intervenção do governo, cooperação da comunidade e capacidade de atuação dos sistemas de saúde.

"O vírus explora uma vigilância fraca. O vírus explora os sistemas de saúde fracos. O vírus explora a má governança. O vírus explora falta de educação, falta de empoderamento das comunidades.”

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247