Vacina russa é um ponto de interrogação, mas também uma esperança, diz médico infectologista

Alexandre Naime Barbosa, chefe da Infectologia da UNESP, disse à TV 247 que não se conhece até agora os resultados dos testes feitos com a vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Rússia, já que o país usa uma metodologia “menos comum”. Apesar disso, alerta: “temos que apostar em várias vacinas”. Assista

Alexandre Naime Barbosa
Alexandre Naime Barbosa (Foto: Reuters | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O médico Alexandre Naime Barbosa, chefe da Infectologia da UNESP e Membro Titular da Sociedade Brasileira de Infectologia, falou à TV 247 sobre a vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Rússia que, nesta semana, foi apontada como medicamento que mostra 'resposta imunológica inequívoca' contra o vírus. Nesta sexta-feira (7), a Rússia anunciou que irá registrar a vacina na próxima semana. Na entrevista, ele falou também sobre a situação atual da pandemia no Brasil e as respostas para combater o vírus.

Barbosa esclareceu que não há conhecimento claro dos resultados dos testes de fase 1, 2 e 3 da vacina russa, já que o país tem um método “menos comum” para a elaboração do medicamento. Mesmo classificando a substância como um “ponto de interrogação”, o médico alerta que ela é também uma esperança.

“A diferença da vacina russa para as vacinas que nós temos em teste no Brasil, que são justamente as vacinas da Oxford e a vacina chinesa, é que a gente não conhece muito bem os resultados de fases 1 e 2. As vacinas da Oxford e a chinesa passaram por teste da fase 1, que é quando a gente analisa os efeitos colaterais, e os estudos de fase 2, que mostram o início do potencial imunogênico da vacina”. 

“Essas vacinas que estão no Brasil a gente conhecem muito bem. O que a gente não sabe da vacina russa, porque eles têm todo um método menos ortodoxo e menos comum, é quais foram os resultados dos ensaios de fase 1 e 2. Os resultados que são alegados de que ela é altamente imunogênica, da fase 3, também não são conhecidos. Então se coloca um ponto de interrogação, mas também uma esperança. Nós não devemos apostar todas as fichas em um cavalo só em uma situação em que a gente tem uma doença global. Temos que apostar em várias vacinas”, disse.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247