CPI da Covid vai pressionar Pazuello a falar sobre terceiros. Planalto teme também depoimento de Ernesto Araújo

O governo está preocupado com os depoimentos dos ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Os dois não têm habilidade política e possuem fraca inteligência emocional

Renan Calheiros, relator da CPI da Covid, e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello
Renan Calheiros, relator da CPI da Covid, e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello (Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - As bancadas de senadores oposicionistas preparam uma estratégia para obrigar o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello a dar detalhes sobre as negociações para a compra de vacinas e para aquisição de remédios que compõem o chamado tratamento precoce preconizado pelo governo Bolsonaro.

Os parlamentares articulam formas de conseguir informações sobre o trabalho do general à frente do Ministério da Saúde, levando em conta a decisão do ministro do STF Ricardo Lewandowski de obrigá-lo a falar a verdade sobre terceiros, inclusive em relação ao presidente Jair Bolsonaro, mas com a possibilidade de ficar em silêncio em casos que possam levar à própria incriminação, informa a Folha de S.Paulo.

Os senadores governistas, por outro lado, temem que esta seja a semana de maior desgaste para o Palácio do Planalto na CPI da Covid, pelos depoimentos de Pazuello e do ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. 

PUBLICIDADE

Os bolsonaristas consideram os dois ex-ministros provados de habilidade política e falta de inteligência emocional, com temperamento explosivo. 

Ernesto detém informações sobre as tratativas com outros países para a compra de insumos necessários no combate à Covid-19 e também com entidades como a OMS (Organização Mundial da Saúde). Enquanto exerceu seu cargo, ele fez críticas à China, uma das maiores fornecedoras do mundo de equipamentos de saúde e maior parceiro econômico e comercial do Brasil

PUBLICIDADE

Ernesto Araújo pôs a estrutura do Itamaraty para atuar em favor do fornecimento de cloroquina ao Brasil, por recomendação de Bolsonaro. Não há comprovação científica sobre a utilidade desse medicamento no combate à covid.

A expectativa dos senadores que integram a CPI da Covid é que o depoimento de Ernesto Araújo, na terça-feira (18), forneça informações importantes e ajude a preparar o terreno para o dia seguinte, quarta-feira (19), quando ocorrerá o depoimento de Pazuello.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email