Renan escreve a Lewandowski sobre habeas corpus de Pazuello e afirma que general quer proteger "possíveis infratores"

Em ofício encaminhado ao ministro do STF Ricardo Lewandowski, o relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que, ao recorrer ao Judiciário para ter o direito de ficar em silêncio na comissão, Eduardo Pazuello "pode estar objetivando proteger possíveis infratores"

www.brasil247.com - Senador Renan Calheiros (MDB-AL),  ministro do STF Ricardo Lewandowski e o ex-titular da Saúde Eduardo Pazuello
Senador Renan Calheiros (MDB-AL), ministro do STF Ricardo Lewandowski e o ex-titular da Saúde Eduardo Pazuello (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado | Rosinei Coutinho/SCO/STF | Carolina Antunes/PR)


247 - O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), encaminhou, nesta sexta-feira (14), um ofício a Ricardo Lewandowski, designado relator do habeas corpus de Eduardo Pazuello, e afirmou que, ao recorrer ao Judiciário, o o ex-ministro da Saúde "pode estar objetivando proteger possíveis infratores, cujos nomes poderiam surgir de seu depoimento". Um advogado impetrou no Supremo Tribunal Federal (STF) um habeas corpus preventivo para o general ficar em silêncio na Comissão Parlamentar de Inquérito

"Negar-se a responder à CPI equivale a esconder do povo brasileiro informações cruciais para compreender o momento histórico, responsabilizar quem tenha cometido irregularidades e evitar que se repitam os erros que levaram à morte de quase meio milhão de brasileiros inocentes, até agora", disse o parlamentar, segundo a coluna de Lauro Jardim

O ex-ministro prestaria depoimento no último dia 5, mas alegou ter tido contato com pessoas suspeitas de Covid-19. Antes de oficializar o seu não comparecimento à CPI, o general fez um media training - houve até uma simulação de confronto com parlamentares, com perguntas espinhosas. Interlocutores do governo disseram que o general estava "muito nervoso".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A situação de Pazuello ficou ainda mais complicada com o depoimento do gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo. Nessa quinta-feira (13), o dirigente disse que a empresa fez ao menos quatro ofertas de doses de vacinas contra a Covid-19 em 2020, mas o governo não deu resposta à farmacêutica e, por consequência, deixou travadas 70 milhões de doses

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mesmo antes da CPI, o ex-ministro já era alvo de críticas pela má condução no gerenciamento da pandemia do coronavírus. Um dos momentos mais preocupantes foi a sua atuação em meio ao colapso da saúde em Manaus. Documentos públicos apontaram que o ministério da Saúde, quando era comandado por ele, sabia do cenário crítico sobre o sistema de saúde em Manaus oito meses antes de ser constatada a falta de oxigênio em hospitais da capital amazonense

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além do representante da Pfizer, prestaram depoimento na CPI os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, o presidente da Agência Nacional de Vigilância Santária (Anvisa), Antonio Barra Torres, e o ex-chefe da Secom Fabio Wajngarten.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email