'Alemão' ficcionaliza tomada do complexo em 2010

Drama é ambientado num dos maiores complexos de favelas do Rio de Janeiro, que foi palco de uma gigantesca ocupação policial-militar há quatro anos

Drama é ambientado num dos maiores complexos de favelas do Rio de Janeiro, que foi palco de uma gigantesca ocupação policial-militar há quatro anos
Drama é ambientado num dos maiores complexos de favelas do Rio de Janeiro, que foi palco de uma gigantesca ocupação policial-militar há quatro anos (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SÃO PAULO, 12 Mar (Reuters) - Diretor paulista que se radicou em Brasília, cidade em que assinou seus filmes mais conhecidos, como "Concepção" (2005) e "Meu Mundo em Perigo" (2007), para depois sair de sua zona de conforto com a comédia "Billi Pig" (2010), José Eduardo Belmonte afasta-se mais ainda de seu território habitual em "Alemão" - um drama ambientado num dos maiores complexos de favelas do Rio de Janeiro, que foi palco de uma gigantesca ocupação policial-militar em 2010.

Não é tão difícil, porém, entender o que atraiu Belmonte a este projeto, já que sua obra deixa clara uma identificação com dilemas urbanos e contemporâneos.

O enredo, ainda que calcado em fatos reais, num filme que recorre a trechos documentais, é ficção. Partindo de uma ideia original do produtor Rodrigo Teixeira, os roteiristas Leonardo Levis e Gabriel Martins focalizam o sufoco de cinco policiais infiltrados no Alemão, no momento em que suas identidades são descobertas -e a ocupação do complexo ainda não foi autorizada.

Os cinco se refugiam numa pizzaria, que é comandada por um deles, Doca (Otávio Müller) -o único cuja identidade ainda não foi exposta. Os outros são Samuel (Caio Blat), Danilo (Gabriel Braga Nunes), Branco (Milhem Cortaz) e Carlinhos (Marcello Melo Jr.).

No subsolo da pizzaria, existe um quase bunker, onde eles estocaram armas para uma emergência, como agora, que estão sendo caçados pelos homens do traficante dono do pedaço, Playboy (Cauã Reymond).

Contando com um elenco experiente, em que se destaca também Antônio Fagundes, como o delegado Valadares, o diretor empenha-se na direção de seus atores.

Mas, desde o começo, o roteiro, assinado por jovens profissionais com pouca experiência, vacila na definição dos personagens e na explanação de seus conflitos internos.

Qual a origem da rixa entre Branco e Danilo? Por que se opta por jogá-los no esconderijo sem nenhum tempo de apresentá-los e permitir ao público identificar-se com eles? Resultado, talvez, de uma produção filmada muito rapidamente -18 dias- em alguns dos cenários reais.

Sendo assim, parece que a ação começa atravessada. E, no seu decorrer, embora enérgico, incorre-se em alguns excessos - por que gritam tanto estes policiais encurralados, ainda por cima com uma sobreposição de música?

Fora isso, perde-se contato com o realismo em detalhes. Não se vê um pacote de droga no quartel-general destes poderosos traficantes. Só armas, com certeza, o detalhe mais pesquisado da produção, inclusive contando com assessoria técnica neste sentido.

Não situando bem as disputas entre os protagonistas, a história perde energia. No trecho final, há um interesse excessivo em relacionar a ficção na tela com acontecimentos reais depois da ocupação. O recurso revela-se um tanto forçado e não encobre os defeitos da ficção, na qual se poderia ter investido mais tempo para afinar sua própria consistência dramática, em vez de procurar apoio num discurso neste final.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email