Após críticas de Bolsonaro, edital suspende séries LGBT para TVs públicas

O governo Bolsonaro suspendeu o edital que havia selecionado séries sobre "diversidade de gênero" e "sexualidade", a serem exibidas nas TVs públicas. O secretário nacional de Cultura, Henrique Pires, pediu demissão e classificou a medida como "censura"

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O pedido de exoneração do secretário nacional de Cultura, Henrique Pires, foi motivado pela decisão do governo de suspender um edital que havia selecionado séries sobre "diversidade de gênero" e "sexualidade", a serem exibidas nas TVs públicas.

A portaria assinada pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, foi publicada no Diário Oficial da União nesta quarta-feira (21) e informa que o edital ficará suspenso pelo prazo de 180 dias, podendo ser prorrogado por igual período.

A justificativa da decisão, segundo a portaria, é a "necessidade de recompor os membros do Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual — CGFSA". 

No entanto, em pronunciamento feito nas redes, Bolsonaro atacou quatro das produções finalistas do edital: “Afronte”, “Transversais”, “Religare queer” e "Sexo reverso".

A portaria ainda informa que, após a definição da nova composição do grupo, será "determinada a revisão dos critérios e diretrizes para a aplicação dos recursos do FSA, bem como que sejam avaliados os critérios de apresentação de propostas de projeto".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247