Ataques à cultura seguem com cortes milionários de verbas e avanço da censura

Secretaria de Cultura quer aprovar antes tudo o que as instituições subordinadas publicam. Deputados da oposição da Câmara Federal protocolaram um requerimento convocando Paulo Guedes para explicar os bloqueios milionários na cultura

Ato no Teatro Oficina prepara a chegada do Festival Lula Livre
Ato no Teatro Oficina prepara a chegada do Festival Lula Livre
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil de Fato - Em mais um ataque à cultura , o ministro da economia, Paulo Guedes, cortou R$ 36 milhões de reais de cinco órgãos ligados à pasta. A Fundação Nacional de Artes, a Funarte, sofreu  o maior bloqueio, de quase R$ 14 milhões de reais. Em seguida foi a Fundação Biblioteca Nacional, com um corte de mais de R$ 11 milhões. O Instituo Brasileiro de Museus (IBRAM), Fundação Cultura Palmares e a Fundação Casa Rui Barbosa também sofreram cortes.

Além dessa medida, o avanço da censura sobre o setor se intensificou  com um recente ofício do secretário especial da Cultura, Mário Frias, que determina que todos os órgãos vinculados à pasta devem enviar mandarem editais, acordos e até publicações nas redes sociais para aprovação de sua equipe antes de divulgarem para a população. Uma servidora da secretaria de cultura que preferiu manter o anonimato por medo de represálias, comenta que a ação é autoritária e fere a autonomia das instituições.

 O objetivo deles (Governo) é paralisar o serviço público da cultura e precarizar, tendo em vista a privatização e mercantilização do setor 

“A medida recente de secretário de Cultura é um ataque a autonomia das instituições da cultura. A secretaria de Cultura não deve  autorizar a realização de ações ou dizer como essas ações devem ser divulgadas. Tem se falado muito de censura com relação a divulgação, porque o ofício aborda explicitamente uma orientação com relação ao que é disponibilizado nas mídias sociais e nas redes", afirma a servidora.

O tom adotado pela secretaria evidencia um projeto de governo que visa desmantelar este importante setor na sociedade. A assessoria de comunicação da Funarte afirmou por email que as verbas cortadas do instituto serão destinadas para a Saúde.

Sobre o ofício do secretário Mário Frias, a secretaria especial de Cultura informou que a medida é apenas para padronizar as ações, não havendo nenhum controle ou cerceamento de informação. Já os ministérios da Economia e do Turismo não responderam à reportagem até o momento.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247