Cacá Diegues: Não se brinca com as decisões populares

Cineasta Cacá Diegues denuncia ‘traição à democracia’ da oposição; “O choque a que estamos assistindo no Brasil hoje é um conflito de ódios selvagens que mal merece ser chamado de crise política”, diz; segundo ele, ‘sem provas concretas de seus alegados crimes, Dilma não tem nada que aceitar seu impeachment e muito menos renunciar’; “Ela tem é a obrigação de governar, corrigir os erros cometidos e vencer seu inferno astral, evitando a velha perversão do regime de exceção (formal ou não), provocado sempre pelo tradicional voluntarismo machista latino-americano”, afirma

Cineasta Cacá Diegues denuncia ‘traição à democracia’ da oposição; “O choque a que estamos assistindo no Brasil hoje é um conflito de ódios selvagens que mal merece ser chamado de crise política”, diz; segundo ele, ‘sem provas concretas de seus alegados crimes, Dilma não tem nada que aceitar seu impeachment e muito menos renunciar’; “Ela tem é a obrigação de governar, corrigir os erros cometidos e vencer seu inferno astral, evitando a velha perversão do regime de exceção (formal ou não), provocado sempre pelo tradicional voluntarismo machista latino-americano”, afirma
Cineasta Cacá Diegues denuncia ‘traição à democracia’ da oposição; “O choque a que estamos assistindo no Brasil hoje é um conflito de ódios selvagens que mal merece ser chamado de crise política”, diz; segundo ele, ‘sem provas concretas de seus alegados crimes, Dilma não tem nada que aceitar seu impeachment e muito menos renunciar’; “Ela tem é a obrigação de governar, corrigir os erros cometidos e vencer seu inferno astral, evitando a velha perversão do regime de exceção (formal ou não), provocado sempre pelo tradicional voluntarismo machista latino-americano”, afirma (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Para o cineasta Caca Diegues, não se pode brincar com as decisões populares. Ele denuncia a ‘traição à democracia’ da oposição no movimento golpista contra a presidente Dilma Rousseff: “Todo mundo tem o direito de dizer o que quer para o Brasil. Mas não se pode desmoralizar as eleições universais, livres e diretas que, como dizia Benjamin Constant, são a fonte sagrada da democracia”.

Segundo ele, “o choque a que estamos assistindo no Brasil hoje é um conflito de ódios selvagens que mal merece ser chamado de crise política”.

O cineasta afirma ainda que, sem provas concretas de seus alegados crimes, Dilma não tem nada que aceitar seu impeachment e muito menos renunciar’; “Ela tem é a obrigação de governar, corrigir os erros cometidos e vencer seu inferno astral, evitando a velha perversão do regime de exceção (formal ou não), provocado sempre pelo tradicional voluntarismo machista latino-americano” (leia mais).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email