Em mês de aniversário, filme de Antonio Callado estreia nos cinemas

Estreia nesta quinta-feira (21), no Rio de Janeiro e em São Paulo, o filme “CALLADO”, uma biografia-ensaio sobre um dos maiores nomes da literatura brasileira, autor de Quarup, Bar Dom Juan e Reflexos do Baile

Antonio Callado
Antonio Callado (Foto: Fotosantigas.com)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O longa-metragem documental CALLADO, de Emília Silveira (Setenta e Galeria F), com roteiro de Miguel Paiva, do Brasil 247, traz histórias sobre os grandes livros, as principais reportagens e as inúmeras aventuras pelo Brasil e pelo mundo, do escritor Antonio Callado (1917-1997). Um dos maiores nomes da literatura brasileira, Callado é autor de clássicos como Quarup, Bar Don Juan e Reflexos do Baile. O filme é uma produção 70 Filmes, em coprodução com Globo Filmes, GloboNews, Canal Brasil e Sax Driver.

Distribuído pela Bretz Filmes, o documentário conta com depoimentos da jornalista Ana Arruda, viúva de Callado, da filha Tessy Callado e, também, de jornalistas e escritores como Carlos Heitor Cony, Davi Arrigucci, Matinas Suzuki, Mauricio Stycer, Sérgio Augusto e Wilson Figueiredo. Callado publicou 18 livros, uma biografia, nove peças de teatro, além de inúmeras reportagens, artigos e crônicas. Em 1994, ele foi eleito para a cadeira 8 da Academia Brasileira de Letras.

O filme relata episódios marcantes da trajetória do jornalista e escritor, como a cobertura radiofônica desde Londres, para a BBC, da Segunda Guerra Mundial; a viagem ao Xingu para localizar os ossos do Coronel Percy Fawcett (1867-1925); a ida em fins dos anos 1960 ao Vietnã do Norte em luta contra os EUA. Callado engajou-se ainda, no início da década de 60, na cobertura da luta pela reforma agrária no nordeste brasileiro, a partir das Ligas Camponesas, lideradas por Francisco Julião.

Enfrentando o desafio de transpor para a tela a palavra escrita, o filme se vale de grafismos e efeitos visuais para se aproximar da obra de um dos mais importantes escritores brasileiros no século XX, um mestre tanto da ficção como do jornalismo literário. Homem de muitas lutas, algumas ganhas e outras perdidas, buscou um país mais justo e solidário. 

Callado acreditou no mito de um Brasil voltado para suas origens, acolhedor com os índios e os negros. Pensava que, parafraseando Euclides da Cunha, “...o nordestino é antes de tudo um forte…” e que seríamos uma terra mestiça e feliz. Morreu trabalhando, sem ver seus sonhos realizados.

Quarup é um livro essencial para a formação da minha geração”, conta Emilia Silveira. “A decisão dele de ir buscar junto aos índios, aos camponeses, aos militantes contra a ditadura, a inspiração para seus romances fez do Callado uma referência incontornável na literatura brasileira. Ele sempre teve uma grande paixão pelo Brasil e ler a obra dele nos ajuda a entender melhor os nossos dias, o nosso tempo...”, afirma a diretora.

Assista ao trailer:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email