Escritor Lira Neto critica fascismo do MBL

O escritor Lira Neto criticou a onda reacionária que vem atingindo a cultura no Brasil; embora não cite nominalmente o MBL —o que já fez em outras colunas recentes—, Neto é categórico ao condenar as ações do grupo: "primeiro, inviabilizam exposições de arte. Depois, expõem jornalistas à fúria das redes por causa de livros. O que virá em seguida?", indaga

Lira Neto, jornalista e escritor. (Foto: Divulgação)
Lira Neto, jornalista e escritor. (Foto: Divulgação) (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Em sua coluna neste domingo, o escritor Lira Neto criticou a onda reacionária que vem atingindo a cultura no Brasil.

"Na semana que passou, uma milícia virtual se vangloriou de ter "desmascarado" um repórter deste Folha, Artur Rodrigues, rotulando-o de "militante travestido de jornalista", pelo fato de ele aparecer numa foto diante de alguns livros de estimação, todos muitos seletos, ressalte-se. Entre eles, a biografia de Carlos Marighella, escrita pelo jornalista Mário Magalhães, vencedora de diversos prêmios nacionais, incluindo o Jabuti. De tão obtusa, a afirmativa nem mereceria maiores refutações.

Há quem diga que o melhor mesmo a fazer é ignorar a estridência desse tipo de midiativismo que investe na desinformação, na fragilidade do repertório cultural de seus seguidores e na consequente infantilização do debate público. Levá-lo demasiadamente a sério seria compactuar com um espetáculo bufão, dar cabimento à frivolidade como discurso e prática política.

Tenho cá minhas dúvidas. Primeiro, inviabilizam exposições de arte. Depois, expõem jornalistas à fúria das redes por causa de livros. O que virá em seguida?"

Conheça a TV 247

Mais de Cultura

Ao vivo na TV 247 Youtube 247