Lula chega ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC para assistir a Marighella

O filme é a estreia de Wagner Moura como diretor e conta com nomes como Seu Jorge, Bruno Gagliasso, Bella Camero, Humberto Carrão, entre outros

www.brasil247.com - Lula e Maria Marighella
Lula e Maria Marighella (Foto: Reprodução/Ajuparaguassu)


247, RBA - O ex-presidente Lula (PT) chegou, nesta sexta-feira, 3, ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, o qual ele já dirigiu, para assistir o filme “Marighella”, que retrata a luta do revolucionário brasileiro Carlos Marighella contra a ditadura militar (1964-1985).

O sindicato é localizado em São Bernardo do Campo (SP). Estão presentes, também, o ex-prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT) e o prefeito de Diadema, Filippi (PT).

O filme é a estreia de Wagner Moura como diretor e conta com nomes como Seu Jorge, Bruno Gagliasso, Bella Camero, Humberto Carrão, entre outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Democracia e Marighella

“Não existe democracia ou construção da cidadania sem conhecer a história; sem reverenciar aqueles que lutaram pela democracia e pelos direitos hoje conquistados pela classe trabalhadora e pela sociedade”, afirma o presidente do sindicato, Wagner Santana, o Wagnão. “Marighella representa um desses companheiros que se insurgiram contra a ditadura. Contra o golpe militar, contra aqueles que queriam impedir que, de fato, vivêssemos uma democracia. Contra interesses que não eram do cidadão comum ou dos que pretendiam construir sua vida sob a proteção de um Estado que lhe garantisse esses direitos”, completa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Wagnão, ao chamar os interessados para o evento, defende que a democracia é um valor humano e deve ser defendido de todas as formas. “É por isso que exibiremos o filme, porque ele retrata o período em que pessoas corajosas se insurgiram para defender os direitos que temos hoje. É nesse sentido que convidamos companheiros e companheiras que queiram reverenciar não só este companheiro, mas todos os anônimos, inclusive muitos metalúrgicos e metalúrgicas que lutaram pelo direto de estarmos aqui falando e escrevendo livremente, pela democracia plena que vai muito além de poder escolher um representante.”

Censura

O longa passou por duras provas para conseguir ser exibido no país. A data de estreia estava programada para o dia 20 de novembro de 2019, Dia da Consciência Negra. No momento, o Brasil atravessava o primeiro ano de mandato do governo Bolsonaro, defensor da ditadura. Contudo. o filme chegou às salas apenas neste ano, após uma sequência de tentativas de boicotes e censura. A interferência de Bolsonaro na Agência Nacional do Cinema (Ancine) aconteceu sob ameaças de fechamento do órgão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email