Maitê Proença sobre reação de Regina Duarte: “É o que tem pra hoje. Cala boca pra cá, cala boca pra lá”

A atriz lamentou a postura da secretária de Cultura e disse que os artistas estão à míngua

Maitê Proença
Maitê Proença (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Forum - A atriz Maitê Proença lamentou o episódio em que a secretária Especial de Cultura, Regina Duarte, dá um chilique durante entrevista da rede CNN Brasil após ser questionada pela ex-colega de profissão.

“Eu pedi para ela conversar com a classe, mas ela não quis escutar. E eu acho que é isso que a gente tem para hoje. […] Diálogo é uma coisa que não existe. É “cala boca” pra cá, “cala boca” pra lá. Eu tentei conversar. Eu penso diferente dela, eu não fiz a mesma opção que ela”, declarou Proença.

O comentário foi feito pela atriz durante transmissão ao vivo com a produtora da Inffinito Film Festival, Adriana Dutra, sobre a obra de Domingos Oliveira.

Proença disse ainda que aceitou o convite da CNN Brasil porque acha “está na hora da gente fazer alguma coisa como classe”. “O que eu falei foi que a cultura está perplexa com a falta de informação, com esse silêncio abissal em política nesse setor, falei que estamos vivendo em vaquinhas. Fomos os primeiros a parar e seremos os últimos a voltar. Tem milhares artistas que estão à míngua”, declarou.

“Enquanto acontece isso, os nossos gigantes estão morrendo. Aldir, Flavio, Moraes, Rubem e o presidente não disse uma palavra e a nossa secretária não disse nada”, disse ainda. “O setor que não tem a menor perspectiva. Eu vou ver as reações depois”, completou.
 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247