Pesquisadores anunciam possível descoberta de restos da Mona Lisa

Pesquisadores italianos afirmaram terem encontrado fragmentos de ossos pertencentes à mulher imortalizada por Leonardo da Vinci em seu aclamado quadro "Mona Lisa"; tecnologia, porém ainda não é capaz se restos encontrados são de Lisa Gherardini, esposa do mercador florentino Francesco del Giocondo que se acredita ter posado para Leonardo; "quadro, conhecido em italiano como "Gioconda", está exposto no museu do Louvre, em Paris, e é uma das mais famosas pinturas do mundo

Pesquisadores italianos afirmaram terem encontrado fragmentos de ossos pertencentes à mulher imortalizada por Leonardo da Vinci em seu aclamado quadro "Mona Lisa"; tecnologia, porém ainda não é capaz se restos encontrados são de Lisa Gherardini, esposa do mercador florentino Francesco del Giocondo que se acredita ter posado para Leonardo; "quadro, conhecido em italiano como "Gioconda", está exposto no museu do Louvre, em Paris, e é uma das mais famosas pinturas do mundo
Pesquisadores italianos afirmaram terem encontrado fragmentos de ossos pertencentes à mulher imortalizada por Leonardo da Vinci em seu aclamado quadro "Mona Lisa"; tecnologia, porém ainda não é capaz se restos encontrados são de Lisa Gherardini, esposa do mercador florentino Francesco del Giocondo que se acredita ter posado para Leonardo; "quadro, conhecido em italiano como "Gioconda", está exposto no museu do Louvre, em Paris, e é uma das mais famosas pinturas do mundo (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Pesquisadores italianos afirmaram nesta quinta-feira que podem ter encontrado fragmentos de ossos pertencentes à mulher imortalizada por Leonardo da Vinci em seu aclamado quadro "Mona Lisa".

Os limites da tecnologia atual, no entanto, não permitem dizer com certeza se descobriram os restos mortais de Lisa Gherardini, a esposa do mercador florentino Francesco del Giocondo que se acredita ter posado para Leonardo.

A "Mona Lisa", conhecida em italiano como "Gioconda", está no museu do Louvre, em Paris, e possivelmente é a pintura mais famosa do mundo. Ela exibe uma jovem de sorriso enigmático com as mãos dobradas suavemente no colo.

Embora a identidade da mulher não seja certa, muitos historiadores creem ser provável que se trate de Lisa Gherardini, e arqueólogos começaram a procurar seu corpo três anos atrás em um convento no qual ela passou os últimos dias. Além disso, eles abriram a tumba da família Giocondo em uma igreja de Florença para tentar obter uma comparação de DNA.

Vários corpos foram recuperados, mas a datação por carbono mostrou que só um grupo de fragmentos de ossos é do início do século 16, quando Lisa viveu e a "Mona Lisa" foi pintada.

Silvano Vinceti, que comanda o Comitê Nacional da Itália para a Divulgação do Patrimônio Histórico e Cultural, disse que a documentação sobre o local do enterro e os testes científicos o deixam confiante de terem e encontrado Lisa.

"Se você me perguntasse o que eu, pessoalmente, subjetivamente, acho e sinto, diria que acredito que a encontramos", disse a repórteres.

Outros especialistas foram mais cautelosos, dizendo que, dado o mau estado dos fragmentos, é impossível ter certeza.

Giorgio Gruppioni, professor de antropologia da Universidade de Bolonha, afirmou que, com base somente nos indícios científicos, as chances de terem descoberto a Mona Lisa "certamente não são grandes".

"O que esperamos é que técnicas sofisticadas um dia nos permitam extrair e analisar e comparar o DNA para podermos determinar geneticamente que este são os restos de Lisa Gherardini", afirmou.

(Reportagem de Matteo Berlenga e Hanna Rantala)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247