Pocket show da resistência celebra democracia ao som de Noel

"Noel era impetuoso em lidar com os sentidos. Não se rendia a convenções. Furava blocos inteiros de clichês idiomáticos e fazia deles sua matéria-prima. Daí sua força", escreve Gustavo Conde, que apresenta mais um pocket show da reslstência

"Noel era impetuoso em lidar com os sentidos. Não se rendia a convenções. Furava blocos inteiros de clichês idiomáticos e fazia deles sua matéria-prima. Daí sua força", escreve Gustavo Conde, que apresenta mais um pocket show da reslstência
"Noel era impetuoso em lidar com os sentidos. Não se rendia a convenções. Furava blocos inteiros de clichês idiomáticos e fazia deles sua matéria-prima. Daí sua força", escreve Gustavo Conde, que apresenta mais um pocket show da reslstência (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Gustavo Conde – Noel era impetuoso em lidar com os sentidos. Não se rendia a convenções. Furava blocos inteiros de clichês idiomáticos e fazia deles sua matéria-prima. Daí sua força. Seu uso verbal – a dimensão das ações concretas ou psicológicas – é singular. Ele se apodera do regime semiótico e das cifras de extensão e duração dos elementos verbais e os re-molda à sua maneira: "Vou me defendendo", "sorrir de nostalgia". Trata o coloquialismo com extrema elegância e rigor poético, dando às canções sempre um verniz raro de apuro estético ao mesmo tempo em que as mergulha na dimensão popular.

O samba é o centro irradiador de todo o sentido de Noel. Se ele pudesse se transformar em outra coisa, ele se transformaria em samba. E não é o samba concreto apenas, é o samba no conceito. Da mesma maneira que Louis Armstrong entre que o jazz não é um "o quê", mas um "como", Noel concebe o samba. O samba, para Noel, é muito mais que um gênero. É uma paixão, um sentimento, uma filosofia, um norte, um país (a Vila é seu país).

Palpite infeliz: canção feita na polêmica com Wilson Batista que teria menosprezado a Vila Isabel. Vale para todo e qualquer sujeito que diz algo sem conhecimento de causa.

Feitio de oração: a origem do samba, o misto de tristeza e alegria. A paixão pela Vila.

Gago Apaixonado: a projeção de sua deformação para outro estereótipo social. Imensa precisão e inacreditável habilidade em metrificar a gagueira em tecido narrativo. É uma das obras-primas da canção popular mundial.

Tarzan, o filho do alfaiate: a obsessão pelo tema da vestimenta. E a simplicidade dos temas pouco ambiciosos que, ao final, tornam-se tratados sociológicos (pr lidar com tanta leveza e naturalidade com práticas sociais pouco valorizadas).

Três apitos: a admiração pela mulher trabahadora.

Conversa de botequim: um tratado do nosso escravagismo endêmico (de maneira crítica e muito inteligente).

Com que roupa: tema da vestimenta o corpo social que se veste para significar.

Último desejo: o drama da perda.

Feitiço da vila: o amor à Vila Isabel.

Inscreva-se na TV 247 e assista ao pocket show:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247