Poema de Drummond é lido em homenagem às vítimas do 11/9

"Os perigos que Clara temiam eram a gripe, o calor, os insetos", dizia o poeta em "Lembrana do Mundo Antigo"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O poema de Carlos Drummond de Andrade, "Lembrança do Mundo Antigo", foi lido durante cerimônia da realização da primeira fase de um memorial dedicado aos passageiros e tripulantes do Voo 93, que caiu no dia 11 de setembro de 2001, depois que seus quarenta passageiros e tripulantes enfrentaram os sequestradores. O texto de Drummond foi lido pelo poeta Robert Pinsky juntamente com o poema "Encantação", do polonês Czeslaw Milosz. A cerimônia contou com a presença dos ex-presidentes norte-americanos George W. Bush e Bill Clinton.

Segundo Bush, os passageiros do Voo 93 foram responsáveis por um dos atos mais heroicos da história dos Estados Unidos. Os sequestradores pretendiam jogar o avião em Washington mas não conseguiram em virtude da determinação e valor dos passageiros e dos tripulantes do voo, que caiu em área rural a menos de 20 minutos de seu alvo. Bush também ressaltou o que ele chamou de exemplo brilhante de democracia em ação, referindo-se à decisão do grupo de realizar uma votação pela opção de se tentar dominar os sequestradores.

Clinton anunciou que ele e o Porta-voz do Parlamento, John Boehner, irão realizar um esforço bipartidário para levantar os US$ 10 milhões restantes para completar os recursos necessários para a construção do Memorial Nacional do Voo 93. A cerimônia reuniu mais de 4 mil pessoas incluindo centenas de parentes de vítimas na área rural da Pennsylvania onde o avião sequestrado caiu há 10 anos. Cerca de US$ 52 milhões já foram levantados através de doações para a construção do memorial. As informações são da Associated Press.

Leia, abaixo, o poema "Lembrança do Mundo Antigo", de Carlos Drummond de Andrade:

"Clara passeava no jardim com as crianças.

O céu era verde sobre o gramado,

a água era dourada sob as pontes,

outros elementos eram azuis, róseos, alaranjados,

o guarda-civil sorria, passavam bicicletas,

a menina pisou a relva para pegar um pássaro,

o mundo inteiro, a Alemanha, a China, tudo era tranquilo em redor de Clara.

As crianças olhavam para o céu: não era proibido.

A boca, o nariz, os olhos estavam abertos. Não havia perigo.

Os perigos que Clara temia eram a gripe, o calor, os insetos.

Clara tinha medo de perder o bonde das 11 horas,

esperava cartas que custavam a chegar,

nem sempre podia usar vestido novo. Mas passeava no jardim, pela manhã!!!

Havia jardins, havia manhãs naquele tempo!!"

(do livro Sentimento do Mundo)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247