Psicóloga busca entender o mistério das músicas grudentas

Vicky Williamson investiga por que algumas canes insistem em no sair de nossas mentes

Psicóloga busca entender o mistério das músicas grudentas
Psicóloga busca entender o mistério das músicas grudentas (Foto: Divulgação)

247- Algumas músicas têm a impressionante capacidade de não sair de nossas cabeças. São exatamente aquelas de letra fácil e melodia manjada. Quanto mais tentamos esquecê-las, mais tempo essas canções ficam em nossos pensamentos, e podem demorar horas ou dias para saírem da mente.

De acordo com matéria do site da BBC, ao perceber que não havia muitas pesquisas cientificas sobre este assunto, a pesquisadora Vicky Williamson, especializada em psicologia da música, resolveu desvendar os mistérios desses “grudes sonoros”.

Em sua pesquisa, a cientista descobriu que existem diversos termos diferentes em inglês usados pelos cientistas para descrever o fenômeno: "stuck-song syndrome" (ou síndrome da canção empacada), "sticky music" (canção pegajosa), "cognitive itch" (coceira cognitiva) ou "earworm" (verme de ouvido). Em uma participação a um programa de rádio da BBC, Williamson perguntou aos ouvintes quais músicas estavam em suas cabeças nos últimos dias e reuniu todos os relatos e experiências de sua pesquisa no seu site.

Com mais de 2,5 mil relatos, a pesquisadora disse que algumas músicas são mais pegajosas por estarem em filmes e seriados de televisão. Como a canção “Don't Stop Believing”, do grupo Foreigner que foi muito citada no começo do estudo. Na época, a música havia voltado às paradas graças ao seu uso no musical americano “Glee”.

A partir disso, a psicóloga passou a definir quais fatores colaboram para o fenômeno das músicas grudentas, e dois deles são a exposição- a música precisa ter sido ouvida recentemente, e a repetição - quanto mais frequente a música toca, maior é a chance de ela ficar na cabeça de quem ouve.

Mas muitas canções podem ser lembradas por memórias ou ambientes. E , além disso, o fator estresse também colabora com a lembrança. Em um dos relatos, Vicky Williamson ouviu uma menina de 16 anos, que durante a época de exames escolares, ela ficou com a música “Nathan Jones" do Bananarama em seu pensamento por dias. Agora, a garota diz que ouve esta canção sempre que passa por um momento de estresse.

Algumas teorias, segundo a psicóloga, tentam explicar o motivo de isso acontecer. Uma delas é a o fenômeno da memória involuntária. É ela, por exemplo, que faz alguém ter vontade de comer algo apenas ao lembrar da comida.

Há uma série de motivos que fazem com que isso aconteça também com a música. Primeiro pela música ser um estímulo multi-sensorial, que é sensível a vários fatores externos. "Segundo porque a música é codificada de forma muito pessoal e emocional, e sabemos que tudo que é codificado com conotações pessoais e emocionais é mais fácil de ser lembrado pela memória" disse Vicky Williamson

A psicóloga ainda procura uma ‘cura’ para as músicas grudentas, mas uma das táticas que ela tem explorado é praticar outras atividades como palavras-cruzadas ou corrida.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247