3 milhões de brasileiros continuam afastados do trabalho por causa da pandemia, diz IBGE

Pesquisa Pnad Covid, do IBGE, aponta que cerca de três milhões de brasileiros, cerca de 3,7% da população ocupada, permanecem afastados do trabalho presencial devido a pandemia do novo coronavírus

Carteira de Trabalho
Carteira de Trabalho (Foto: Agencia Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - De acordo com pesquisa do IBGE divulgada nesta sexta-feira (2), cerca de três milhões de brasileiros (3,7% da população ocupada) permanecem afastados do trabalho presencial devido ao distanciamento social provocado pela COVID-19.

Comparado à semana entre 30 de agosto e cinco de setembro, o número de trabalhadores que estavam em casa fazendo home office, ou simplesmente distanciados do trabalho, perdeu 400 mil pessoas.

Para se ter uma ideia comparativa, em maio, 16,6% dos trabalhadores ocupados estavam afastados do trabalho presencial. Este número representava quase 20% de toda a força de trabalho.

​Outro dado interessante apresentado pela pesquisa diz respeito ao número de pessoas que ficaram em casa e só saíram por necessidade básica na semana de seis a 12 de setembro, cerca de 85,6 milhões, ou 40,5% da população. Já a parcela da população que ficou rigorosamente isolada corresponde a 16,7%, ou 35,3 milhões, e apresentou uma queda em relação à semana anterior de 17,7%.

A Pesquisa

O estudo faz parte da Pnad Covid, uma série semanal de levantamentos do IBGE sobre os efeitos da pandemia na sociedade brasileira. Os indicadores desta semana foram levantados entre seis e 12 de setembro.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247