A quem serve a privatização da Petrobras

"
O discurso liberal pela privatização da empresa como remédio (sic) de combate à corrupção no país não resiste à realidade crua, tal como demonstrado explicitamente pela Operação Lava Jato: os grandes corruptos do país não são os políticos – muitos dos quais são também corruptos – mas grande parte da fina flor do grande empresariado nacional. Os grandes esquemas de corrupção são elaborados, montados e executados pelas empresas que contam como auxiliares eficazes políticos e funcionários das empresas que se deixam corromper", diz o físico Cláudio Guedes

Operário checa amostra de petróleo na plataforma Cidade Angra dos Reis, no campo de Lula, a cerca de 300 km da costa do Rio de Janeiro. A Petrobras vai aumentar a produção neste ano com a operação de projetos atrasados e a entrada de plataformas previstas
Operário checa amostra de petróleo na plataforma Cidade Angra dos Reis, no campo de Lula, a cerca de 300 km da costa do Rio de Janeiro. A Petrobras vai aumentar a produção neste ano com a operação de projetos atrasados e a entrada de plataformas previstas (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

*Cláudio Guedes, originalmente publicado no Nocaute

Hoje, 18/11, mais um artigo no Estadão que defende a privatização da Petrobras.

Os argumentos são os mesmos de sempre: a corrupção nas estatais e a recuperação da capacidade de investimentos das empresas liberando-as do jugo dos sindicatos e dos políticos.

A mesma lengalenga, aparentemente meritória. Pois quem não é a favor de empresas eficientes? Quem é a favor da corrupção (com exceção dos poucos que dela se beneficiam)? É claro que essas são questões importantes, mas secundárias, menores, quando a questão é a Petrobras.

A importância da empresa continuar sendo uma empresa do estado é relativa à necessidade do país ter controle sobre produtos essenciais, que são vetores de desenvolvimento econômico e social, com implicações fortes no desenvolvimento de várias regiões do país, e cuja exploração, refino e distribuição devem, em primeiro lugar, cumprir funções sociais.

A principal função social de uma empresa que explora um recurso natural, que é propriedade da nação, é garantir que parte significativa da receita gerada pela sua exploração seja apropriada pelo conjunto da sociedade brasileira, seja um instrumento de mitigação da pobreza que persiste no país, seja um instrumento de capitalização do estado para gerar investimentos em saúde, educação e P&D. E não que esta riqueza seja diretamente apropriada por uns poucos empresários e acionistas privados, para a multiplicação e perenização de seus patrimônios particulares. Esta é a questão central.


O discurso liberal pela privatização da empresa como remédio (sic) de combate à corrupção no país não resiste à realidade crua, tal como demonstrado explicitamente pela Operação Lava Jato: os grandes corruptos do país não são os políticos – muitos dos quais são também corruptos – mas grande parte da fina flor do grande empresariado nacional. Os grandes esquemas de corrupção são elaborados, montados e executados pelas empresas que contam como auxiliares eficazes políticos e funcionários das empresas que se deixam corromper.

É uma catilinária vazia, falsa, mentirosa, o discurso que imputa ao setor privado virtudes naturais tais como eficiência e moralidade. O setor privado possui empresas e empresários sérios e competentes, mas está coalhado de empresários corruptos e amorais.

Outra questão, importante, mas desprezada pelos que debatem a questão petróleo no Brasil, é: por que privatizar a Petrobrás se a indústria do petróleo no país não é mais monopólio da União, estando aberta a qualquer grupo privado que nela queria investir?

Quer investir em exploração, refino e distribuição de óleo & gás & derivados? É só montar a empresa e gastar … Por que os empresários nacionais e estrangeiros querem comprar a Petrobras? Que segundo eles e seus consultores é uma empresa ineficiente? Por que comprar uma empresa ineficiente?


Tudo conversa fiada. Querem uma empresa pronta porque não aceitam o risco do negócio. Querem, como sempre nas privatizações, pegar uma empresa pronta, demitir parte dos que a construíram, corromper as agência reguladoras, e multiplicar seus ganhos praticando preços elevados em um setor fortemente concentrado.


O autor do artigo de hoje no Estadão, Por que privatizar?, é Adriano Pires, economista que trabalha como consultor do setor de petróleo há muitos anos. O conheço desde os anos 90, quando professor na UFRJ. Hoje trabalha exclusivamente no setor privado. Entende do assunto, mas vive de consultoria às empresas privadas da área de petróleo & gás. Defende o liberalismo e os interesses de seus clientes. Uma visão de parcialidade evidente. E é também um artista. Assina seus artigos e participa de inúmeros programas na Globo News como diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), nome pomposo, forte. Fui lá conferir. É apenas uma empresa de consultoria de duas pessoas, Adriano e outra profissional, com sede numa pequena sala de um prédio comercial no Rio de Janeiro. Os nossos liberais são uns artistas…

(*) Cláudio Guedes, 62 anos, natural de Salvador, Bahia, é físico e empresário.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247