Acionistas brasileiros querem R$ 20 bi da Petrobras

Depois de a Petrobras acertar um acordo em um processo na Justiça dos Estados Unidos com investidores norte-americanos, a quem pagará R$ 10 bilhões, acionistas minoritários brasileiros pedem à estatal o dobro do pagamento; os R$ 20 bilhões seriam uma indenização por supostas perdas em ações em decorrência dos escândalos de corrupção, nos quais a companhia, hoje presidida por Pedro Parente, foi vítima; como previsto, o acordo esdrúxulo firmado com os EUA abre precedentes para outras ações

Depois de a Petrobras acertar um acordo em um processo na Justiça dos Estados Unidos com investidores norte-americanos, a quem pagará R$ 10 bilhões, acionistas minoritários brasileiros pedem à estatal o dobro do pagamento; os R$ 20 bilhões seriam uma indenização por supostas perdas em ações em decorrência dos escândalos de corrupção, nos quais a companhia, hoje presidida por Pedro Parente, foi vítima; como previsto, o acordo esdrúxulo firmado com os EUA abre precedentes para outras ações
Depois de a Petrobras acertar um acordo em um processo na Justiça dos Estados Unidos com investidores norte-americanos, a quem pagará R$ 10 bilhões, acionistas minoritários brasileiros pedem à estatal o dobro do pagamento; os R$ 20 bilhões seriam uma indenização por supostas perdas em ações em decorrência dos escândalos de corrupção, nos quais a companhia, hoje presidida por Pedro Parente, foi vítima; como previsto, o acordo esdrúxulo firmado com os EUA abre precedentes para outras ações (Foto: Gisele Federicce)

247 - Após verem a notícia do acordo de R$ 10 bilhões firmado pela Petrobras para encerrar uma disputa judicial com investidores nos Estados Unidos, acionistas minoritários brasileiros pedem os mesmos termos para um ação movida contra a estatal.

Os acionistas brasileiros, no entanto, acreditam ter direito ao dobro do valor - R$ 20 bilhões - em indenização por supostas perdas em ações em decorrência dos escândalos de corrupção investigados na Lava Jato, nos quais a companhia foi vítima.

"O cálculo considera que cerca de dois terços dos papéis da Petrobras foram adquiridos na B3 (a bolsa de São Paulo) e apenas um terço na Nyse (a bolsa de Nova York). Um acordo nas mesmas bases no Brasil resultaria em aproximadamente R$ 20 bilhões", afirmou Aurélio Valporto, vice-presidente da Associação dos Investidores Minoritários (Aidmin), segundo reportagem do Broadcast, do Estadão.

"Não há dúvidas de que esse novo acordo celebrado torna ainda mais grave a já insustentável situação dos acionistas e investidores brasileiros da Petrobras, que permanecem sem a devida reparação de seus prejuízos e agora são forçados a observar, mais uma vez de mãos atadas, a destinação de fatia robusta do patrimônio da sociedade ao território estrangeiro, para tapar o rombo sofrido pelos investidores apenas dos Estados Unidos", diz o documento enviado à 6.ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo.

Como previsto, o acordo de proporções questionáveis firmado pela Petrobras, sob o comando de Pedro Parente e do governo Temer, com os EUA abre precedentes para outras ações e novos pedidos judiciais.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247