Aepet cobra do novo comando da Petrobrás que pare com a venda de refinarias

O presidente da Associação Dos Engenheiros Da Petrobras, Felipe Coutinho, cobrou do novo comando da Petrobrás que pare com a venda de refinarias realizada por direções anteriores e lembrou das crises das gestões privatistas

(Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Associação Dos Engenheiros Da Petrobras (Aepet), Felipe Coutinho, cobrou do novo comando da Petrobrás que pare com a venda de refinarias realizada por direções anteriores. 

Nesta sexta-feira, 19, Jair Bolsonaro demitiu o neoliberal Castello Branco da direção da estatal e colocou em seu lugar o general Joaquim Luna e Silva, visto por alguns como menos privatista.

Em nota, o presidente da Aepet ressalta que Pedro Parente, diretor durante o governo de Michel Temer, “caiu por causa da política de preços que inaugurou, o Preço Paritario de Importação (PPI), mas ela continuou com [Ivan] Monteiro e CB [Castello Branco].” 

“Cabe ao novo presidente esclarecer se o PPI continua, assim como o plano de privatizar 8 das 13 refinarias que representam 50% da capacidade de refino nacional. O parque de refino da Petrobras é capaz de abastecer todo mercado nacional de diesel e gasolina a partir do petróleo brasileiro, produzido pela estatal”, afirmou. 

“Não é razoável vincular seus preços aos de importação, mas sim abastecer aos menores custos possíveis. Promovendo o desenvolvimento da economia brasileira e garantindo a capacidade de investimento da Petrobrás”, disse.

Inscreva-se na TV 247, seja membro, e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email