América Latina deve investir US$ 405 bi para evitar desemprego, diz Celag

"A defesa de 271 milhões de trabalhadores latino-americanos no meio da crise significaria um investimento de 405 bilhões de dólares, o que implica em 7,3% do PIB de cada país, em média", diz o estudo, realizado pela Economista equatoriano Nicolás Oliva

(Foto: Edson Lopes Jr./AsHd/Fotos Públicas)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Segundo um estudo do Centro Estratégico Latino-americano de Geopolítica (CELAG), os governos devem agir rapidamente para evitar uma crise "nunca antes imaginada".

Os países da América Latina devem investir US$ 405 bilhões (cerca de R$ 2.1 trilhões) para evitar a perda de 271 milhões de empregos em risco em função da crise da COVID-19, de acordo com pesquisa do CELAG.

"A defesa de 271 milhões de trabalhadores latino-americanos no meio da crise significaria um investimento de 405 bilhões de dólares, o que implica em 7,3% do Produto Interno Bruto [PIB] de cada país, em média", diz o estudo, realizado pela Economista equatoriano Nicolás Oliva.

A estimativa foi realizada pela Unidade de Análise Econômica da CELAG, com base nas estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre o rendimento do trabalho no PIB de 20 países da América Latina, que incluem salários e renda mista associados ao trabalho.

"Colocar o Estado como o empregador em última instância, pagando salários, não é um custo, mas um investimento; quando uma crise começa, agir imediatamente, de forma superlativa, não é o mesmo que fazê-lo pouco a pouco, enquanto a crise se aprofunda", acrescenta o estúdio.

Ao agir gradualmente sobre a crise, a perda gradual de produtividade da produção, educação, economias e das condições sociais é "enorme", indica a pesquisa do CELAG.

"Quando a economia afunda, leva muito mais anos para se recuperar se não agirmos imediatamente com os montantes necessários; todos esses custos sociais e econômicos excedem em muito o suposto custo financeiro de 7% do PIB, o que significaria sustentar a situação por três meses para impedir que a economia afunde em níveis nunca antes imaginados. A incerteza do tamanho do colapso social é tão alta que o risco aumenta exponencialmente quando agimos com timidez e diferimento", alerta o documento.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email