Ao se posicionar contra investimento público, Guedes diz: 'Lula e Dilma fizeram'

'É bonito isso, mas isso é o que o Lula, o que a Dilma tão fazendo há 30 anos. Se a gente quiser acabar igual a Dilma, a gente segue esse caminho", disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticando a proposta de investimento público para recuperar a economia

Ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília
27/04/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino
Ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília 27/04/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No vídeo da reunião, o ministro da Economia, Paulo Guedes, repeliu investimento público em recuperação: 'Lula e Dilma fizeram', reconheceu o ministro, que defende investimentos privados para a reconstrução econômica.

"Que que nós conseguimos fazer? Nós sinalizamos o contrário. Nós desalavancamos banco público, reduzimos endividamento, baixamos juros e o Brasil ia começar a voar. Então se agente lançar agora um plano, é... Todo o discurso é conhecido: 'acabar com as desigualdades regionais', Marinho, claro, está lá, são as digitais dele. É bi ... É bonito isso, mas isso é o que o Lula, o que a Dilma tão fazendo há 30 anos. Se a gente quiser acabar igual a Dilma, a gente segue esse caminho", disse ele, criticando a proposta apresentada pelo general Braga Neto, ministro-chefe da Casa Civil, que apresentou o chamado Pró-Brasil, plano para unir ações ministeriais para a recuperação econômica.

"Voltar uma agenda de 30 anos atrás, que é investimentos públicos financiados pelo governo, isso foi o que a Dilma fez 30 anos. Então tá cheio de gente pensando nessa eleição agora, e botando coisa na p ... Na cabeça do ... do ... De todo mundo aqui dentro, que são governadores querendo fazer a festa, são às vezes ministros querendo aparecer, tem de tudo. E todo mundo vem aqui: 'vamos crescer, agora temos que crescer, tem que ter a resposta imediata, porque o governo vai gastar'. O governo quebrou! O governo quebrou! Em todos os níveis. Prefeitura, governador e governo federal", disse.

Guedes ainda fez um ataque velado à China ao insinuar que o país asiático seria responsável pela pandemia e, por isso, deveria financiar um plano para a reconstrução econômica mundial após a pandemia do novo coronavírus.

"Então, quando se falou em Plano Marshall, Pró-Brasil é um nome espetacular. Dez, mil. Plano Marshall é um desastre. Eu...Revela despreparo nosso. Plano Marshall, por exemplo, os Estados Unidos podem fazer um Plano Marshall para nos ajudar. A China (TRECHO EM SIGILO) deveria financiar um Plano Marshall para ajudar todo mundo que foi atingido. Então a primeira inadequação, a gente tem que tomar muito cuidado é o seguinte, é o plano Pró-Brasil", disse o ministro.

Guedes defendeu que se o governo se afastasse do "caminho desenvolvimentistas" e reequilibrasse contas, contendo o excesso de gastos públicos, as chances de reeleição de Jair Bolsonaro em 2022 seriam maiores.

"Então, eu acho um discurso bom, mas nós temos que tomar cuidado e reequilibrar as coisas. Não pode ministro para querer ter um papel preponderante esse ano destruir a candidatura do presidente, que vai ser reeleito se nós seguirmos o plano das reformas estruturantes originais. Então eu tenho que dar esse recado, nós vamos estar à disposição, nós vamos ajudar tudo, mas nós não podemos nos iludir", disse.

"O caminho desenvolvimentista foi seguido, o Brasil quebrou por isso, o Brasil estagnou. A economia foi corrompi... A política foi corrompida, a economia estagnou através do excesso de gastos públicos. Então achar agora que você pode se levantar pelo suspensório, como é que um governo quebrado vai investir, vai fazer grandes investimentos públicos? Tarcísio (Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura) sabe disso, conversamos sempre. Tarcísio sabe."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247