Apoiadores de Bolsonaro veem sinais de desânimo em empresários

Empresários que estavam otimistas com o governo ultraneoliberal de Jair Bolsonaro começam a fazer um desembarque de forma silenciosa. Estimativas de crescimento para 2019 seguem não passam de 1% e as projeções para 2020 caíram

Com economia em queda, governo vai cortar estimativa do PIB e mudar divulgação
Com economia em queda, governo vai cortar estimativa do PIB e mudar divulgação
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Lideranças que ajudaram Jair Bolsonaro a ser eleito começam a narrar um sentimento de desembarque de empresários decepcionados com a falta de reação da economia. A informação é da coluna Painel. Mas a saída é silenciosa, ou seja, sem manifestações públicas de desgosto. 

Em nove meses de governo, Jair Bolsonaro e o seu ministro Paulo Guedes (Economia) não apresentaram algum plano para retomar o consumo, a geração de empregos e a expansão do Produto Interno Bruto (PIB). Atualmente, a taxa de desemprego está em 11,8% no trimestre finalizado em julho deste ano, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São mais de 12 milhões de desempregados. 

As estimativas de crescimento do PIB para 2019 continuam abaixo de 1%. Para 2020, a pesquisa semanal Focus, do Banco Central, divulgada na última segunda-feira (16), apontou que as projeções do mercado para o crescimento da economia brasileira voltou a cair, de 2,07% para 2,00%.

O governo adota uam agenda baseada no corte de direitos, de investimentos e entrega de setores estratégicos para estrangeiros. O argumento é o de que o estado está quebrado e é preciso enxugar custos. A gestão aposta na Reforma da Previdência para gerar empregos, porém sem um mercado consumidor aquecido, no entanto, fica difícil atrair investidores. 



Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247