Após queda de 7%, China amplia restrição à venda de ações

Medidas de restrições à venda de títulos por grandes acionistas foram tomadas depois de o pregão das bolsas ter sido interrompido, após quedas acima de 7%; em julho de 2015, os titulares de 5% ou mais das ações de uma empresa foram impedidos de vender durante um prazo de seis meses, de modo a conter as fortes quedas registradas nas bolsas chinesas

Medidas de restrições à venda de títulos por grandes acionistas foram tomadas depois de o pregão das bolsas ter sido interrompido, após quedas acima de 7%; em julho de 2015, os titulares de 5% ou mais das ações de uma empresa foram impedidos de vender durante um prazo de seis meses, de modo a conter as fortes quedas registradas nas bolsas chinesas
Medidas de restrições à venda de títulos por grandes acionistas foram tomadas depois de o pregão das bolsas ter sido interrompido, após quedas acima de 7%; em julho de 2015, os titulares de 5% ou mais das ações de uma empresa foram impedidos de vender durante um prazo de seis meses, de modo a conter as fortes quedas registradas nas bolsas chinesas (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Lusa

A Comissão Reguladora do Mercado de Valores da China (CRMV) ampliou hoje (7) as restrições à venda de títulos por grandes acionistas, depois de o pregão das bolsas ter sido interrompido, após quedas acima de 7%.

Em julho de 2015, os titulares de 5% ou mais das ações de uma empresa foram impedidos de vender durante um prazo de seis meses, de modo a conter as fortes quedas registradas nas bolsas chinesas. O prazo termina segunda-feira (11).

A CRMV informa que esse impedimento será substituído agora por nova medida, em que os acionistas não podem vender mais de 1% de uma empresa por cada período de três meses.

Os titulares das ações terão também de divulgar a intenção de venda com 15 dias de antecedência. Não foi apresentada qualquer data limite.

As bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen encerraram hoje o pregão antecipadamente, pela segunda vez na história, após meia hora de negociações, em que foram registradas perdas superiores a 7% no índice CSI 300.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247