Bancários da Caixa defendem ampliação do auxílio emergencial

Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) diz que benefício precisa continuar e valor mensal de R$ 600 não pode ser reduzido, como pretende o governo

Filas para recebimento do auxílio emergencial
Filas para recebimento do auxílio emergencial (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Com o avanço das contaminações pelo novo coronavírus e dos impactos causados pela pandemia, cresceu a pressão social para a extensão do auxílio emergencial de R$ 600 como forma de socorrer a população mais carente e também a economia. Segundo o Executivo, o benefício será pago por mais três meses; porém, com valor mensal reduzido: R$ 500 (julho), R$ 400 (agosto) e R$ 300 (setembro). 

“Defendemos a ampliação do auxílio, mas não do jeito que o governo está propondo", afirma o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sérgio Takemoto. "Entendemos também que o benefício precisa continuar por um prazo maior. O desemprego vai subir, a crise não vai acabar tão cedo e reduzir o auxílio emergencial prejudicará milhares de brasileiros", acrescenta.

Segundo avalia Takemoto, os R$ 600 mensais ajudam a manter a economia funcionando porque as famílias de baixa renda estão utilizando os recursos para o consumo de itens essenciais, como alimentos, além do pagamento de contas e outras necessidades básicas. A redução do auxílio emergencial também é criticada no Congresso. 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é contrário à posição do governo e defende o pagamento de mais duas parcelas no atual valor mensal.

Outros parlamentares engrossam a defesa pela extensão do auxílio até o final do ano. É o caso do senador Jean Paul Prates (PT-RN), autor do Projeto de Lei 2.627/2020, que estende o benefício até dezembro.

As três parcelas do auxílio emergencial, em R$ 600 mensais, foram aprovadas pelo Congresso, em março, para ajudar os trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais e desempregados no período de quarentena imposto para conter a disseminação da covid-19. O valor do benefício aprovado pelos congressistas contrariou a proposta inicial do governo, que pretendia conceder o auxílio no valor de R$ 200 por mês.

TERCEIRA PARCELA — Depois de uma longa espera, o governo começou a pagar a terceira parcela do auxílio emergencial para os beneficiários que receberam a primeira parcela até 30 de abril e não fazem parte do calendário do Bolsa Família. Os pagamentos, por meio da poupança social digital, iniciaram neste sábado (27). 

Segundo a direção da Caixa, mais R$ 19,7 bilhões foram destinados ao pagamento de 31 milhões de beneficiários. O crédito do auxílio continua sendo feito de maneira escalonada, conforme o mês de aniversário do beneficiário.

Inicialmente, o dinheiro poderá ser usado apenas digitalmente para pagamentos de contas, boletos e compras por meio do cartão de débito virtual. Saques e transferências só serão liberados a partir do próximo dia 18.

 Os depósitos serão realizados nas seguintes datas: 

• 27 de junho (sábado): foram depositados para os nascidos em janeiro e fevereiro

• 30 de junho (terça-feira): para os nascidos em março e abril

• 1º de julho (quarta-feira): para os nascidos em maio e junho

• 2 de julho (quinta-feira): para os nascidos em julho e agosto

• 3 de julho (sexta-feira): para os nascidos em setembro e outubro

• 4 de julho (sábado): para os nascidos em novembro e dezembro

BOLSA FAMÍLIA — A Caixa está pagando também a terceira parcela do auxílio emergencial para os beneficiários do Bolsa Família. Neste caso, as pessoas não precisam esperar para sacar o dinheiro. O pagamento começou dia 17 e termina amanhã (30), de acordo com o último dígito do Número de Identificação Social (NIS). Hoje (29), recebem os beneficiários com NIS final 9.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247