Banco do Brasil avança na criação de um banco de investimentos

Intenção é chegar ao primeiro lugar do ranking, adianta o vice-presidente Paulo Rogério Caffarelli; estrutura poderá ser montada em parceria com uma instituição privada ao longo de 2013

Banco do Brasil avança na criação de um banco de investimentos
Banco do Brasil avança na criação de um banco de investimentos
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O Banco do Brasil começa 2013 com mais um projeto ambicioso em formatação. A intenção é a de criar um banco de investimentos para atuar fortemente na área de mercado de capitais, corretagem, análise e assessoria de fusões e aquisições. No momento, duas estratégias estão em análise para este fim: montar a nova área de negócios dentro da estrutura do próprio banco ou criar uma empresa à parte, em parceria com uma instituição da iniciativa privada. Essa última alternativa possibilitaria a criação de um sistema de remuneração inédito no Banco do Brasil, no qual a remuneração da equipe do setor seria, na maior parte, variável, obedecendo a critérios de desempenho pessoal e da empresa. Como instituição pública, o BB tem funcionários concursados e não consegue reproduzir esse modelo.
"Estamos fazendo vários estudos", disse o vice-presidente de Atacado, Negócios Internacionis e Private Bank do BB, Paulo Rogério Caffarelli, a jornal Valor Econômico. "Queremos ser o primeiro na área de mercado de capitais".
O mais prudente é acreditar nessa projeção. Em 2012, o BB pulou do décimo para o primeiro lugar no ranking da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) de novembro, em razão da ampliação de sua participação em ofertas de ações.
Um exemplo de joint venture entre o BB e uma instituição privada já está dando resultados. O BB Seguridade, em parceria com a espanhola Mapfre, está prestes a fazer uma oferta de ações na Bolsa de Valores. A operação tem valor estimado em R$ 5 bilhões.
Esse modelo já é visto como exemplar pelos altos executivos do banco. "Nossa única opção é formar a equipe. Temos um time fantástico, mas não conseguimos contratar gente de outros bancos", disse o vice-presidente Caffarelli ao Valor. "Ao mesmo tempo, o volume de pessoas que mais perdemos para o mercado são do banco de atacado e da área de mercado de capitais." Ao constituir uma companhia privada, essa questão poderia ser contornada, disse o executivo.
Segundo Caffarelli, essa estrutura permitiria ao banco se tornar mais competitivo e também possibilitaria a criação de uma corretora de valores mobiliários. "O objetivo é criar áreas que estão faltando para o banco se tornar mais forte nesse mercado, como corretagem, análise e assessoria a operações de fusões e aquisições", afirmou.
No início do ano passado, com o objetivo de reforçar a área de mercado de capitais, o BB deslocou a vice-presidência de finanças para a divisão de atacado, que opera com oferta de crédito para grandes empresas. "Isso fortaleceu o relacionamento com os grandes clientes, que passaram a contar também com área de mercado de capitais", afirmou Caffarelli.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email