Banco pergunta se Marina é o Ciro Gomes de 2002

Equipe de análise do Brasil Plural diminuiu as chances de vitória da candidata do PSB, de 65% para 55%, e a comparou com o político cearense, em meio à perda de impulso da candidatura de Marina Silva; em 2002, ele conseguiu aparecer na frente de Lula entre 2 e 5 pontos até meados de agosto no segundo turno, embora atrás no primeiro; banco ressalta, porém, que Ciro Gomes "derreteu" e lembra de análises que diziam que José Serra, ao desconstruir a candidatura do candidato acabou ajudando Lula

Equipe de análise do Brasil Plural diminuiu as chances de vitória da candidata do PSB, de 65% para 55%, e a comparou com o político cearense, em meio à perda de impulso da candidatura de Marina Silva; em 2002, ele conseguiu aparecer na frente de Lula entre 2 e 5 pontos até meados de agosto no segundo turno, embora atrás no primeiro; banco ressalta, porém, que Ciro Gomes "derreteu" e lembra de análises que diziam que José Serra, ao desconstruir a candidatura do candidato acabou ajudando Lula
Equipe de análise do Brasil Plural diminuiu as chances de vitória da candidata do PSB, de 65% para 55%, e a comparou com o político cearense, em meio à perda de impulso da candidatura de Marina Silva; em 2002, ele conseguiu aparecer na frente de Lula entre 2 e 5 pontos até meados de agosto no segundo turno, embora atrás no primeiro; banco ressalta, porém, que Ciro Gomes "derreteu" e lembra de análises que diziam que José Serra, ao desconstruir a candidatura do candidato acabou ajudando Lula (Foto: Gisele Federicce)

SÃO PAULO - A candidata do PSB à presidência, Marina Silva, já foi comparada a muitos outros presidenciáveis e presidentes das últimas eleições: "Lula de saias", "FHC de saias", Fernando Collor de Melo, Jânio Quadros e até mesmo Ernesto Geisel e Emilio Garrastazu Medici (estes últimos comparações feitas por Paulo Maluf).

Porém, Marina está sendo comparada com outro político de destaque em 2002, o cearense Ciro Gomes, em meio à perda de impulso da candidatura.

A equipe de análise do Brasil Plural destacou, em nota anterior, uma chance de 65% de Marina ser eleita, enquanto Dilma teria uma probabilidade de 35% de ser reeleita. A ex-senadora também poderia ganhar no primeiro turno se ela conseguisse resistir aos ataques desencadeados tanto por Dilma quanto por Aécio Neves (PSDB), que está em terceiro lugar na disputa.

Porém, dado que ela parece estar falhando neste teste, os analistas Mario Mesquita, Priscilla Burity e Rafael Ihara revisaram as suas estimativas para as eleições, com 55% de chances de Marina e 45% de Dilma ser reeleita, uma vez que as duas pesquisas que saíram ontem, Datafolha e Ibope, mostraram uma perda de impulso da pessebista, com alguma recuperação da petista.

O cenário que se desenha é bastante volátil, apontam os analistas, o que pode sinalizar que a eleição deve ser decidida mesmo em 2º turno. Além disso, outro ponto a salientar é que a boa notícia para Dilma já veio no Datafolha da semana passada, com melhor índice de aprovação do governo mesmo com todas as notícias ruins na área econômica. Se a sua aprovação de governo voltar para a casa dos 40%, ela voltará a ser a candidata a ser batida: ela subiu 2 pontos no último Ibope, para 36%.

"Os recentes acontecimentos, inevitavelmente, trazem à mente a mais famosa onda de 'falha' em política nas eleições brasileiras, a do ex-ministro Ciro Gomes em 2002. Naquela época, como agora, o clima no País era de mudança, mas os índices de aprovação do governo estavam em 26%, dez pontos a menos do que hoje", ressaltam os analistas. Neste momento da campanha - de acordo com o Datafolha -, a aprovação da administração do presidente Fernando Henrique Cardoso em seu segundo mandato foi de 31%, chegando a cair para apenas 23% no momento da votação.

O ano de 2002 mostrou uma certa reticência dos eleitores que queriam mudanças em resolver votar no candidato do PT de então, Luís Inácio Lula da Silva, que se tornaria o candidato a incorporar este desejo. O momento em que Ciro Gomes entrou foi anterior, mas não muito mais cedo do que Marina. Segundo Ibope, Datafolha e Sensus, ele conseguiu aparecer na frente de Lula entre 2 e 5 pontos até meados de agosto no segundo turno, embora atrás no primeiro.

"Em seguida, com o peso de ataques de candidatos com mais peso na TV, José Serra (PSDB) e o próprio Lula, além de seus problemas e gafes na campanha, 'Gomes derreteu', e nem chegou perto do segundo turno. E chegou a ser ressaltado muitas vezes que Serra, ao desconstruir a candidatura de Ciro, acabou ajudando Lula", afirmam.

A analogia não é perfeita, dizem os analistas, Dilma é atual presidente, Serra não era, enquanto Aécio aparece como um candidato mais fraco que Serra em 2002 nesta etapa da campanha. "Além disso, Marina tem sido menos propensa a gafes do que Ciro. Mas o fato é que os ataques de Aécio parecem estar fazendo mais mal às chances de Marina do que bem para as suas próprias perspectivas imediatas de se tornar presidente".

Com isso, há quatro questões a serem monitoradas. A primeira é: Aécio vai manter o ataque contra Marina ou se concentrar em defender Minas Gerais, cujo governo do PSDB está ameaçado no estado justamente para o PT?

A segunda é: o tempo de televisão de Dilma vai realmente ajudá-la? Já m terceiro lugar: será que o índice de aprovação da presidente vai continuar melhorando? Por fim, há a questão: será que a "mudança" será o maior motor para a campanha?

Ainda há um mês para eleições mas, até lá, muita coisa pode acontecer.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247