Base já critica falta de clareza de Temer sobre ajuste

Congressistas reclamam que o déficit de R$ 170 bilhões, seguido de reajustes e benesses a Estados, virou cheque especial para o governo gastar mais; além do recente recuo no envio da reforma da Previdência, o governo já trata como sonho quase inatingível a aprovação do teto para as despesas públicas antes das eleições municipais; um importante integrante da área alerta: se as duas medidas — teto e previdência — não forem aprovadas ainda este ano, é capaz de “ruir o teto do Planalto”

Brasília - O presidente interino Michel Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante reunião com líderes da Câmara e do Senado, no Palácio do Planalto. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Brasília - O presidente interino Michel Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante reunião com líderes da Câmara e do Senado, no Palácio do Planalto. (Marcelo Camargo/Agência Brasil) (Foto: Roberta Namour)

247 - A base de Michel Temer começa indicar incômodo com a falta de clareza sobre qual ajuste fiscal será, de fato, feito, de acordo com Natuza Nery. “Reclamam que o déficit de R$ 170 bilhões, seguido de reajustes e benesses a Estados, virou cheque especial para o governo gastar mais. Além do recente recuo no envio da reforma da Previdência, que acendeu uma luz amarela em congressistas, o governo já trata como sonho quase inatingível a aprovação do teto para as despesas públicas antes das eleições municipais”, diz.

Segundo o Painel, a equipe econômica parece estar consciente do perigo. Um importante integrante da área desabafou com senadores: se as duas medidas — teto e previdência — não forem aprovadas ainda este ano, é capaz de “ruir o teto do Planalto”.

Para ele, isso faria com que Michel Temer entrasse em 2017 politicamente fragilizado frente ao mercado financeiro e à nata do PIB.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247