BB vai enterrar R$ 1,5 bilhão no Votorantim

Estadão confirma furo do 247: Banco do Brasil precisará socorrer instituição financeira dos Ermírio de Moraes, com aporte bilionário; Nelson Barbosa, secretário-executivo da Fazenda, era contra solução proposta por Aldemir Bendine

BB vai enterrar R$ 1,5 bilhão no Votorantim
BB vai enterrar R$ 1,5 bilhão no Votorantim (Foto: Montagem/247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Na sua edição deste sábado, o Estado de S. Paulo confirma furo de reportagem publicado pelo 247 na segunda-feira. O Banco do Brasil irá mesmo socorrer o Votorantim, dos Ermírio de Moraes, fazendo um aporte de R$ 1,5 bilhão na instituição financeira. Comprado por R$ 4,2 bilhões em 2009, o Votorantim tem apresentado péssimos resultados – o prejuízo foi de R$ 597 milhões – no primeiro trimestre do ano e precisará novamente de socorro.

De acordo com a reportagem do Estado de S. Paulo, os Ermírio de Moraes também colocarão R$ 1,5 bilhão na instituição financeira. Assim, as participações acionárias seriam mantidas: 49,99% para o BB e 50,01% para os controladores do Votorantim. Ainda não está claro, no entanto, de onde virão os recursos dos Ermírios de Moraes para capitalizar um banco que tem penado com a altíssima inadimplência no setor de financiamento de veículos.

Leia, abaixo, reportagem anterior do 247 sobre o caso:

Exclusivo: BB tenta injetar R$ 1,5 bi no Votorantim

O Banco do Brasil, comandado por Aldemir Bendine, tem uma bomba-relógio na mão: é o Votorantim, que não para de perder dinheiro; em abril, um pedido de aporte bilionário foi levado ao conselho, presidido por Nelson Barbosa, mas não foi aprovado; confira documentos internos obtidos pelo 247

247 – No dia 21 de abril deste ano, o conselho de Administração do Banco do Brasil se reuniu para deliberar sobre vários temas importantes, como o próprio resultado financeiro da instituição. Discutiu-se naquela reunião, no entanto, um assunto muito mais explosivo. Tratava-se de um pedido de aporte de R$ 1,5 bilhão, que seria feito pelo BB em uma de suas subsidiárias: o Banco Votorantim, adquirido em janeiro de 2009, numa operação bastante polêmica. Por 49,99% das ações, o BB pagou R$ 4,2 bilhões.

Na reunião do dia 21 de abril, o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, levou ao presidente do conselho da instituição, Nelson Barbosa, um “prato pronto”. Tratava-se de uma solicitação para que o BB aportasse nada menos que R$ 1,5 bilhão no Votorantim, que tem apresentado sucessivos prejuízos – foram R$ 597 milhões no primeiro trimestre deste ano.

No encontro, Bendine teria dito a Barbosa que o assunto já havia sido tratado com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. E foi então que Barbosa, frequentemente lembrado como possível sucessor de Mantega, se irritou. Diante de vários interlocutores, ele disse a Bendine que fizesse então com que o ministro da Fazenda assinasse o aporte bilionário.

Coincidência ou não, no dia 25 de abril deste ano, o tema foi retirado da pauta do conselho diretor do Banco do Brasil, onde o responsável pela condução do assunto tem sido o vice-presidente de Finanças, Ivan Monteiro. Sem o aval de Nelson Barbosa, que tem relação direta com a presidente Dilma Rousseff, para o aporte, o BB tenta agora encontrar uma nova saída para o Votorantim. Uma das possibilidades é a transferência de créditos podres dos bancos públicos para uma nova estatal que seria chamada de Empresa Gestora de Ativos (Emgea), como foi adiantado pelo 247. Outra possibilidade em discussão é a compra pelo BB, do restante das ações do Votorantim, da família Ermírio de Moraes.

Gestão é do BB

O caso Votorantim é problemático para a direção atual do Banco do Brasil porque, nos últimos três anos, a gestão está nas mãos da própria instituição. Para o conselho do Votorantim, o BB indicou o presidente Aldemir Bendine e dois vices: Ivan Monteiro e Paulo Caffarelli. Os prejuízos, ao contrário do que ocorreu, por exemplo, com o Panamericano, não foram herdados. Nasceram na gestão atual.

Internamente, o pedido de aporte do Votorantim ao BB dividiu a instituição. Um dos vice-presidentes que se mostrou refratário ao negócio foi justamente Ricardo Oliveira, da área de Governo, que acaba de ser demitido, em razão de um escândalo recente envolvendo quebra de sigilo bancário, e se sentiu abandonado pela atual gestão.

Ivan Monteiro tem o apoio incondicional de Bendine e Caffarelli. Ele é o candidato da dupla para a presidência da Previ, o fundo de pensão dos funcionários do banco, hoje comandado por Ricardo Flores. No entanto, o rombo do Votorantim, provocado pela alta inadimplência no financiamento de veículos, pode atrapalhar seus planos.

De acordo com documentos internos do BB, obtidos pelo 247, os aportes seriam realizados em três parcelas de R$ 500 milhões. Como Nelson Barbosa vetou a injeção de capital, tenta-se agora resolver o problema do banco com a limpeza de seu balanço e a transferência de créditos podres para a Viúva. Veja, abaixo, os documentos:

Na imagem abaixo, o parecer do BB que solicita ao Conselho de Administração aporte de R$ 1,5 bilhão no Banco Votorantim:

 

Na imagem abaixo, a informação de que o tema foi retirado da pauta do conselho diretor, em razão de veto superior:

 

Na imagem abaixo, o cronograma que estava previsto para os aportes, em três parcelas de R$ 500 milhões:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247