BNDES terá R$ 500 bi até 2014

Recursos faro parte do programa Brasil Maior, anunciado pelo governo federal

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Banco Central (BC) pediu moderação nas concessões de subsídios por meio de operações de crédito. Mas na direção contrária, a nova política industrial, batizada de Brasil Maior, foi lançada pelo governo com mais um caminhão de subsídios, de efeitos incertos sobre a economia e a inflação em 2012.

O governo não só ampliará mais uma vez os empréstimos do Tesouro Nacional ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como também anunciou que vai estender por mais um ano o Programa de Sustentação do Investimento (PSI).

Criado após a crise de 2008, o programa permite ao BNDES oferecer empréstimos com taxas de juros bem mais baixas do que as de mercado.

O banco estatal vai, inclusive, voltar a atuar no crédito de capital de giro, como fez durante a crise para socorrer as empresas. Tudo bancado com mais subsídios bilionários do Tesouro até agora pouco explicitados.

Meta

A meta para o BNDES é ambiciosa: desembolsar R$ 500 bilhões para o Brasil Maior até 2014. Mas até o início de maio, quando a inflação estava em forte alta e dominava todas as atenções dentro e fora do governo, a equipe econômica cogitava postergar para 2012 o repasse de R$ 55 bilhões de empréstimos do Tesouro ao BNDES previstos para este ano, como medida para auxiliar o BC. A estratégia foi revista, com a liberação de R$ 30 bilhões em junho.

Agora, com o recuo dos preços e os sinais de fim do ciclo de alta da taxa Selic (juro básico da economia), o governo decidiu repassar os R$ 25 bilhões restantes até o final do ano. E já negocia internamente um novo aporte de recursos para 2012, como indicou anteontem o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel. “O BNDES precisa de dinheiro o ano todo”, afirmou.

A elevação do custo fiscal e o impacto na dívida pública dos empréstimos do Tesouro ao BNDES são a parte mais visível da política adotada, mas os seus efeitos na demanda agregada da economia são bem mais difíceis de serem dimensionados.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email