Bolsa cai e dólar sobe com demissão de secretários de Paulo Guedes

O real não apenas descolou da valorização de boa parte de seus pares como chegou ao fim da tarde com o pior desempenho entre as principais moedas

Painel Bolsa de São Paulo
Painel Bolsa de São Paulo (Foto: REUTERS/Rahel Patrasso)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Infomoney - O Ibovespa vira para queda nesta quarta-feira (12) com os pessimismo tomando conta do mercado após um início de sessão bastante volátil, no qual as notícias de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, descartou a possibilidade de sair do governo, chegaram a limitar as vendas.

Entretanto, com o passar do dia, os temores de que a “debandada” de secretários do Ministério da Economia signifique uma guinada antiliberal da gestão Bolsonaro voltaram a predominar nas mesas de negociação. Fontes ouvidas pela Bloomberg destacaram que Guedes não tem intenção de deixar o cargo, mas espera um compromisso público do presidente Jair Bolsonaro com a agenda desestatizante.

Pela manhã, Bolsonaro fez justamente isso ao dizer que “em todo governo é normal a saída de alguns” e que sua gestão continua ciente da responsabilidade econômica e é norteada pelo ajuste fiscal e pelo teto de gastos públicos. “O Estado deve se desfazer de empresas deficitárias”, ressaltou.

O presidente da República lembrou ainda que a reforma da Previdência foi aprovada em tempo recorde e que as taxas de juros se encontram atualmente nas mínimas históricas, em 2% ao ano. “O presidente e seus ministros continuam unidos e cônscios da responsabilidade de conduzir a economia e os destinos do Brasil com responsabilidade”, assegurou.

Na véspera, os pedidos de demissão do secretário de Desestatizações e Privatizações, Salim Mattar, e do secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, ambos subordinados ao Ministério da Economia do ministro Paulo Guedes, comprometeram a visão de que o governo Bolsonaro conseguirá implementar a agenda de reformas liberais que o mercado tanto espera.

Por outro lado, as bolsas dos Estados Unidos sobem em meio ao quarto dia de negociações entre democratas e republicanos para aprovar um pacote de mais de US$ 1 trilhão em estímulos contra os impactos econômicos do coronavírus. Registram ganhos de 0,87% o Dow Jones e de 1,37% o S&P 500. O índice Nasdaq, de ações de empresas de alta tecnologia, tem alta de 2,09%.

Às 13h04 (horário de Brasília) o Ibovespa caía 1,09% a 101.055 pontos.

Já o dólar comercial volta a subir forte, avançando 1,13% a R$ 5,4734 na compra e a R$ 5,4759 na venda. Enquanto isso, o dólar futuro para setembro tem alta de 1,63% a R$ 5,473.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 sobe 14 pontos-base a 2,81%, o DI para janeiro de 2023 tem variação positiva de 17 pontos-base a 3,98% e o DI para janeiro de 2025 avança 23 pontos-base a 5,80%.

De acordo com a análise da XP Política, a fala de Guedes ontem admitindo a saída em massa de quadros importantes do seu Ministério foi interpretada como um gesto para que Bolsonaro se posicionasse diante da disputa no governo pelos rumos da agenda econômica.

Entre os indicadores nacionais, as vendas no varejo cresceram 8% em junho na comparação com maio, mostrou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número veio acima da mediana das projeções dos economistas compilada no consenso Bloomberg, que apontava para um avanço de 5%.

Hoje, na Europa, o pregão é de ganhos apesar do tombo de 20,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido durante o segundo trimestre. Essa é a maior queda desde o início desse levantamento e também a primeira vez que o Reino Unido entra em recessão desde 2009.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247