Bolsonaro já dá sinais de não suportar Guedes, o ex-"posto Ipiranga"

A relação entre Bolsonaro e Paulo Guedes, o ex-“posto Ipiranga” do governo, vem se deteriorando e sofreu novo desgaste esta semana após derrota do governo na votação da reforma da Previdência

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro
Paulo Guedes e Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Correa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os sinais de desgaste na relação entre Jair Bolsonaro que seu ministro da Economia, o ex-“posto Ipiranga”, estão multiplicando-se. Além da situação desastrosa da economia, que não dá sinais de reação, Bolsonaro ficou irritado com Guedes depois da derrota na votação da reforma da Previdência.

Bolsonaro e seu "núcleo duro" ficaram incomodado depois de ter chegado a ele a informação de que Guedes atuou contra a proposta do "pacto federativo", informam os jornalistas Talita Fernandes e Bernardo Caram, da Folha de S.Paulo.

Após a derrota no Senado, Guedes iniciou na quarta (2) um movimento para enfraquecer a proposta do que o governo chama de "pacto federativo", que tem por objetivo destinar mais recursos a estados e municípios. 

A ação de Guedes foi uma reção dele aos senadores, que  derrubaram um artigo da reforma que criava regras mais rígidas para recebimento do abono salarial. Pelos cálculos do Ministério da Economia, a mudança reduziu o impacto da proposta em R$ 76,4 bilhões em dez anos.

Embora a equipe econômica negue que haja estremecimento na relação do ministro com o chefe do Executivo, o clima tenso levou Guedes a dar explicações pessoalmente ao presidente nesta quinta-feira (3). 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247