Brasil corre risco de desabastecimento no setor de combustíveis

Em 2016, o Brasil consumiu por volta de 2,16 milhões de barris por dia de derivados de petróleo, segundo estudos; em 2030, essa necessidade será de 3,1 milhões, capacidade que supera significativamente a infraestrutura de produção ou de recebimento de importações instalada atualmente no país; para o advogado Ricardo Magro, trata-se de um dos principais temas debatidos no governo na atualidade; "Qualquer erro ou omissão implicará em um limitador para o crescimento do país nos próximos anos", diz ele

Em 2016, o Brasil consumiu por volta de 2,16 milhões de barris por dia de derivados de petróleo, segundo estudos; em 2030, essa necessidade será de 3,1 milhões, capacidade que supera significativamente a infraestrutura de produção ou de recebimento de importações instalada atualmente no país; para o advogado Ricardo Magro, trata-se de um dos principais temas debatidos no governo na atualidade; "Qualquer erro ou omissão implicará em um limitador para o crescimento do país nos próximos anos", diz ele
Em 2016, o Brasil consumiu por volta de 2,16 milhões de barris por dia de derivados de petróleo, segundo estudos; em 2030, essa necessidade será de 3,1 milhões, capacidade que supera significativamente a infraestrutura de produção ou de recebimento de importações instalada atualmente no país; para o advogado Ricardo Magro, trata-se de um dos principais temas debatidos no governo na atualidade; "Qualquer erro ou omissão implicará em um limitador para o crescimento do país nos próximos anos", diz ele (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Agência Nacional do Petróleo (ANP) promoveu na semana passada um workshop para debater o projeto Combustível Brasil, conjunto de ações e medidas voltadas à promoção e à intensificação da livre iniciativa ao mercado de combustíveis. Os aspectos estão sendo debatidos em um grupo de trabalho, composto por ANP, Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e Ministério de Minas e Energia (MME).

Alguns pontos evidenciados no debate foram o de que hoje, o Brasil já é dependente das importações de combustíveis. Isso significa que a demanda atual já não pode ser atendida apenas pelas refinarias existentes e que a atratividade para investidores está totalmente ligada à mudança da política de preços da Petrobras.

O surgimento da iniciativa só poderá ocorrer de fato com a mudança de posicionamento da política estratégica da Petrobras, pois mesmo após 20 anos da Lei de Petróleo, a estatal continua mantendo o monopólio como supridora de derivados de petróleo no Brasil, o que inibe a entrada de novos players no cenário brasileiro. Diante das necessidades brasileiras culminadas com a situação de caixa da Petrobras, tornou-se uma medida emergencial.

Em 2016, o Brasil consumiu por volta de 2,16 milhões de barris por dia de derivados de petróleo, segundo estudos apresentados. Em 2030, essa necessidade será 3,1 milhões, capacidade que supera significativamente a infraestrutura de produção ou de recebimento de importações instalada atualmente no país. Ou seja, há o risco de desabastecimento caso não sejam feitos investimentos nesta área.

Ouvido sobre o assunto, o advogado Ricardo Magro disse que se trata de um dos principais temas debatidos no governo na atualidade. "Qualquer erro ou omissão implicará em um limitador para o crescimento do país nos próximos anos. Diante da importância do assunto, órgãos como o CADE e a CVM deveriam ser envolvidos no debate, pois são eles que vão impedir que se repitam os erros do passado", afirma.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247