Brasil destina 2% do PIB para combate ao coronavírus. Na Europa chega a 17%

247 - Um levantamento feito pelo banco BTGPactual apontou que as medidas anunciadas pelo Ministério da Economia e pelos bancos públicos para enfrentar o coronavírus totalizam cerca R$ 478 bilhões. De acordo com o  Observatório de Política Fiscal do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), da Fundação Getulio Vargas, como essa medida não tem natureza fiscal e o governo só deve participar dela na medida em que os bancos públicos forem mais arrojados, o valor anunciado representa 2,86% do PIB. Descontadas antecipações de despesa, são 2,05% do PIB.

A cifra de quase R$ 480 bilhões não é referente ao gasto total do governo, porque algumas dessas medidas representam o adiamento de pagamentos ou a antecipação de transferências de renda que ocorreriam de qualquer forma neste ano.

O governo dos Estados Unidos trabalha com um pacote de estímulos de US$ 2 trilhões (cerca de R$ 10 trilhões, valor que supera o PIB do Brasil, de R$ 7,3 trilhões em 2019). Os dados foram publicados no jornal Folha de S.Paulo

Responsável pelo estudo do Ibre, o economista Manoel Pires afirma que nos EUA os estímulos correspondem a 6,3% do PIB daquele país. Na Inglaterra, são 17% do PIB. Na Alemanha, 12%.

No Boletim Macro divulgado nesta quarta-feira (25), o Ibre diz haver uma preocupação à capacidade de as medidas anunciadas pelo governo brasileiro darem uma rede de proteção social adequada.

“Principalmente para trabalhadores informais, pela dificuldade de chegar a eles e porque o valor que se propõe transferir é muito baixo, não substituindo senão uma parcela pequena da renda.”

Receber notificações do Brasil 247. Inscreva-se.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Leia também:

Ruralista avalia que Ricardo Salles contamina a imagem do setor

'Estamos nos transformando em um pária. Nossa imagem nunca esteve tão mal", diz Marcello Brito, presidente da Abag sobre fala de...

Presidente do BC prevê queda de no mínimo 5% do PIB em 2020

Ele também ponderou que, pelo fator medo, as pessoas não voltarão imediatamente a seus hábitos mesmo com a abertura da economia

Ladislau Dowbor: “situação no Brasil é agravada pela falta de governo”

Economista afirma que “governo federal passa o tempo em lutas estéreis de poder”. O professor da PUC também analisa que para enfrentar...