Brasil não cresce por problemas internos, aponta economista

"O problema do crescimento e desenvolvimento do Brasil é essencialmente interno, endógeno, temos que olhar para o nosso dever de casa, realizá-lo corretamente, abrir e arejar nossa economia para o resto do mundo", afirmou o professor Istvan Kasznar da Fundação Getúlio Vargas

Paulo Guedes sofre processo de fritura
Paulo Guedes sofre processo de fritura (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputinik - O Brasil até está realizando reformas necessárias para crescer, mas o culpado para a timidez do voo da economia é "essencialmente interno", disse o economista Istvan Kasznar à Sputnik Brasil.

Nesta quinta-feira (20), ao lançar programa de crédito imobiliário da Caixa Econômica Federal a juros fixos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que com as reformas o Brasil iria "decolar" e "crescer dois por cento" em 2020, mesmo com a "turbulência internacional" e a América Latina "estagnada".

Entre críticas e elogios ao governo, Kasznar acredita que Brasil tem potencial para se desenvolver num ambiente de desaquecimento global, mas antes precisa fazer seu dever de casa.

"O problema do crescimento e desenvolvimento do Brasil é essencialmente interno, endógeno, temos que olhar para o nosso dever de casa, realizá-lo corretamente, abrir e arejar nossa economia para o resto do mundo", afirmou o professor da Fundação Getúlio Vargas.

'Gol de placa para o governo Bolsonaro'

Segundo ele, "os vasos comunicantes mundiais estão se falando cada vez mais e repercutindo sobre a gente", mas não se pode "culpar o crescimento econômico nacional por conta de fatores externos, o grande problema esta aqui, é preciso rearticular a economia, reordenar o setor público, reduzir o déficit publico, que até caiu além do que estava sendo cogitado no ano passado, um gol de placa para o governo Bolsonaro e para o ministro Paulo Guedes".

Apesar de defender reformas que o governo vem tentando implementar, como a tributária e administrativa, ele considera a previsão de crescimento de 2% ainda muito pequena e a diminuição dos juros apenas "um pingo de água para as dimensões" do país.

Crescer 2% é 'pífio'

"Crescer a dois por cento com essas reformas continua sendo uma medida com perspectivas pífias, fracas, desalentadoras", afirmou o especialista, embora ressalte que o atual governo tenha pegado uma economia com "taxas negativas".

Segundo Kasznar, para que o crescimento realmente ocorra, é preciso fazer um amplo leque de mudanças, e até mesmo aprofundar as reformas liberalizantes do governo, como "abrir a economia" do Brasil e "flexibilizar o mercado de trabalho".

A reforma administrativa, a próxima na pauta do governo, para ele deveria ser "mais abrangente" e sem "ameaças de classe".

'Discurso que não seja para atacar domésticas'

"É preciso estabilizar, criar um discurso mais fácil, mais agradável, que não seja para atacar as empregadas domésticas, todas as pessoas que são servidores públicos e fazem muito bom serviço. A reforma administrativa não pode ser uma ameaça de classe, ela tem que ser a favor do Brasil, a favor de equidade, motivação e produtividade", disse o economista.

Em relação à reforma tributária, que deverá entrar na agenda do governo em seguida, Kasznar disse que é igualmente "essencial", pois a "carga fiscal do Brasil é monstruosa".

Mas frisou que em um país "tão desigual", os impostos são necessários e o Estado tem uma papel "social" para diminuir a pobreza.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247